Desde o desafio da baleia azul, tem-se falado cada vez mais da depressão nos adolescentes. Os sintomas apresentados são basicamente os mesmos dos adultos e, a clareza da descrição que a pessoa consegue fazer do seu quadro, como nos adultos, vai depender da capacidade de auto-observação. Uma importante diferença, entretanto, em crianças e adolescentes é que ao invés da tristeza, a manifestação principal pode ser de irritabilidade.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, haverá nas próximas duas décadas uma mudança dramática nas necessidades de saúde da população mundial, devido ao fato de que doenças como depressão e cardiopatias estão substituindo os tradicionais problemas das doenças infecciosas e de má nutrição. Em um estudo, feito por Los Angeles Epidemiologic Catchment Area Project, 25% dos adultos com depressão maior relataram o primeiro episódio da doença ocorrendo antes dos dezoito anos de idade.

5 SINTOMAS DA DEPRESSÃO EM ADOLESCENTES

Mudanças de comportamento e sentimentos exagerados durante a adolescência são normais. Mas fique atento aos seguintes sintomas. Se seu filho os apresenta na maior parte do dia, durante mais de duas semanas, talvez seja bom procurar um especialista:

  1. Escola

Os pais devem acompanhar sempre o desempenho escolar da criança e do adolescente. Quedas bruscas no rendimento, problemas de relacionamento com professores e colegas e dificuldade de concentração devem ser verificados.

  1. Vida familiar

Explosões constantes de raiva, irritação e instabilidade emocional, tentativas de fuga, discussões sem motivo e atitudes de desafio acompanhados de outros indícios podem ser decorrência de um quadro depressivo. Mas não se esqueça de que casos isolados desses comportamentos são normais durante a adolescência.

  1. Lazer

Adolescentes depressivos normalmente perdem o interesse por atividades que antes apreciavam. Também há tendência ao isolamento e afastamento dos amigos. O jovem pode ainda fazer uso de drogas e álcool.

  1. Saúde

Falta de energia, sensação de cansaço e alterações no sono e no apetite também são comuns em casos de depressão. O jovem sente-se cansado para as atividades do dia a dia, dorme mais ou menos do que o normal e pode ter perda ou ganho significativo no peso corporal.

  1. Sentimentos

A depressão faz com que os sentimentos de desesperança, tristeza e inadequação do adolescente sejam desproporcionais. Baixa autoestima e ideias suicidas – que podem até ser concretizadas em tentativas de suicídio – são recorrentes nos quadros de depressão.

A QUEM A DEPRESSÃO ATINGE?

Não se sabe a razão pela qual alguns adolescentes se tornam deprimidos enquanto outros não. Como ocorre com qualquer doença, algumas pessoas são mais suscetíveis que outras. Além disso, a depressão tem várias causas, e quase sempre resulta de uma combinação de fatores.

As tensões da vida cotidiana são importantes fatores que contribuem para o aparecimento da depressão nos jovens. O fracasso, a discriminação e a pressão para realizar inúmeras tarefas, podem contribuir para o aparecimento da depressão. Além disso, os problemas familiares e a perda da auto-estima em adolescentes também têm um papel na depressão. Uma tristeza não resolvida, seja pela morte de um ente querido, perda de um amigo ou rompimento de uma relação amorosa, é um fator adicional.

No entanto, muitos jovens passam por acontecimentos desagradáveis sem desenvolver depressão. A simples tristeza, é uma experiência normal que geralmente não progride para uma depressão. Por que alguns adolescentes são mais vulneráveis que outros? As pesquisas mostram que os fatores genéticos têm um papel importante no desenvolvimento de depressão. É mais freqüente a ocorrência de depressão nas pessoas que têm familiares com transtornos depressivos.

 Como os pais podem identificar a depressão do adolescente?

O comportamento irritável, a resistência em iniciar e realizar tarefas, o sono excessivo levando o jovem a permanecer muito na cama e a dificuldade de concentração podem levar os pais a pensarem que se trata de atitudes de rebeldia e contestação, comuns nesta faixa etária. É importante que a família procure uma orientação psiquiátrica para que seja feito o diagnóstico diferencial entre problemas comportamentais e um transtorno depressivo.

De modo geral, as boas práticas de parentagem recomendam que os pais fiquem sempre próximos aos filhos, tanto na abertura para conversas, quanto no acompanhamento dos estudos e no conhecimento de seu dia-a-dia. Quanto melhor conhecem sua filha ou filho, tanto menor a probabilidade de os pais serem pegos de surpresa por problemas graves.

Caso os pais suspeitaram de depressão em seus filhos, é necessário sempre consultar um psiquiatra é o profissional com a formação mais completa e adequada para dar as devidas orientações!

Fonte: Minhavida.com.br

Esse artigo pertence à categoria Cuidados com a Saúde, Geral.

Deixe uma resposta

Notice!

Favor ativar os widgets na barra inferior!