Lúpus eritematoso sistêmico. Em resumo, ele é um distúrbio crônico que faz o sistema imunológico produzir anticorpos em excesso sem um motivo aparente. A questão é que os anticorpos, quando em alta concentração, passam a atacar o próprio organismo, provocando inflamações e lesões em vários órgãos. Rins, pulmões, pele e articulações são as áreas mais acometidas, porém a doença eventualmente atinge até cérebro e coração.

Mais comum nas mulheres jovens, o transtorno pode ser brando em determinados casos e, em outros, incapacitante ou mesmo fatal. E seu curso é imprevisível. Às vezes, o indivíduo fica anos sem nenhum sintoma e, de repente, volta a sofrer com dores e outras complicações. Até por isso é tão crucial seguir o tratamento e as orientações dos especialistas.

Sinais e sintomas

  • Dores nas articulações
  • Febre
  • Queda de cabelo
  • Manchas avermelhadas, especialmente em rosto, pescoço, peito e cotovelos
  • Feridas na boca
  • Inchaço e vermelhidão ao redor das unhas
  • Dor de cabeça
  • Dor ao respirar
  • Em casos graves, convulsões

Fatores de risco

  • Alta exposição aos raios ultravioletas
  • Usos de contraceptivos orais
  • Histórico familiar

 

O tratamento

Uma das primeiras tentativas dos profissionais para controlar a doença é usar anti-inflamatórios mais suaves. Mas, em casos descontrolados ou durante crises intensas, os corticoides entram em cena. Eles são mais eficazes contra a inflamação decorrente do lúpus, porém provocam efeitos colaterais significativos. Isso sem contar que a utilização constante desses fármacos está associado à obesidade e ao diabete.

O médico pode ainda receitar drogas como o metrotrexato, a cloroquina e outros imunossupressores. O objetivo é reduzir a atividade do sistema imunológico e, com isso, os danos provocados por ele ao organismo da pessoa. Qual a desvantagem? Esses medicamentos facilitam o surgimento de infecções oportunistas, entre outras coisas.

Em caso aos chamados anticorpos monoclonais, que bloqueiam a ação de uma substância específica. No caso do lúpus, o alvo atende pelo nome de TNF-alfa. Essa substância incita inflamações pelo corpo — bloquear sua ação, portanto, ameniza o problemas específicos.

Diagnóstico de Lúpus

É difícil realizar o diagnóstico para lúpus, pois os sintomas variam muito de pessoa para pessoa, mudam com o passar de tempo, sobrepõem-se uns aos outros e confundem-se com os sintomas de outras doenças.

O médico realizará um exame físico e auscultará seu tórax com um estetoscópio. Um som anormal chamado atrito pericárdico ou atrito pleural poderá ser escutado. Um exame do sistema nervoso também pode ser realizado.

Os exames usados para diagnosticar o lúpus incluem:

  • Exames de anticorpos, incluindo teste de anticorpos antinucleares
  • Hemograma completo
  • Radiografia do tórax
  • Biópsia renal
  • Exame de urina.

A prevenção

Existem alguns hábitos diários podem ser adotados por quem possui Lúpus ou por pessoas que querem se prevenir da doença, que são:

Evitar a exposição ao sol sem proteção em horários inadequados é importante para controlar os sintomas da doença;

É recomendado ter o exercício físico como hábito para manter o corpo e a mente saudáveis;

O tabagismo deve ser evitado por pacientes com lúpus, pois afeta o sistema respiratório, cardíaco, podendo piorar a sensação de mal-estar;

Ter uma alimentação rica em frutas, vegetais e grãos e seguir as instruções do médico em termos de dieta ajuda controlar os sintomas da doença.

Como o lúpus não tem cura, o paciente convive com fases de remissão e fases ativas da doença, os cuidados especiais com a saúde devem ser permanentes. Após realizar o tratamento na fase crítica, o paciente deve seguir a risca as recomendações médicas e realizar exames periodicamente.

Há diversas iniciativas para esclarecer as dúvidas da população sobre o lúpus, inclusive campanhas no dia mundial de conscientização sobre o lúpus que acontece em 10 de maio. Nesse dia, indivíduos que têm a doença explicam como chegaram ao diagnóstico, muitas vezes difícil, e como convivem com o lúpus após estabilização do quadro.

Desde 2012, alguns artistas nacionais como Astrid Fontenelle e a estrela pop internacional Lady Gaga vieram a público falar sobre o lúpus e explicar sobre cuidados que a doença demanda no dia a dia. Isso fez com que mais informações sobre o lúpus fossem divulgadas e que mais indivíduos que sofriam com o mal-estar causado pelo lúpus pudessem ter o diagnóstico facilitado.

A qualquer sinal de lúpus, principalmente manchas vermelhas e coceiras ao se expor ao sol procure auxílio médico.

Fonte: saude.abril.com.br e www.nursing.com.br

Esse artigo pertence à categoria Cuidados com a Saúde.

Deixe uma resposta

Notice!

Favor ativar os widgets na barra inferior!