Bula

Acido Mefenamico - Bula do remédio

Acido Mefenamico com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Acido Mefenamico têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Acido Mefenamico devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Laboratório

Genérico

Apresentação de Acido Mefenamico

Comprimidos de 500 mg. Embalagem com 24 comprimidos.COMPOSIÇÃO Cada comprimido de ácido mefenâmico contém: ácido mefenâmico.......................500 mg Excipientes: celulose microcristalina, amido, povidona, dióxido de silício, croscarmelose sódica, vanilina, amarelo.

Acido Mefenamico - Indicações

O ácido mefenâmico é indicado para: 1. Alívio sintomático de artrite reumatóide (inclusive doença de Still), osteoartrite e dor, incluindo dor muscular, traumática e dentária, cefaléias de várias etiologias, dor pós-operatória, e pós-parto. 2. Alívio sintomático da dismenorréia primária. 3. Menorragia por causas disfuncionais ou por uso de DIU, tendo sido afastadas as demais causas de doenças pélvicas. 4. Síndrome pré-menstrual.

Contra-indicações de Acido Mefenamico

O medicamento é contra-indicado nos pacientes que apresentem hipersensibilidade ao ácido mefenâmico ou a qualquer componente da formulação. É contra-indicado em pacientes com doença renal pré-existente e pacientes com sintomas de úlcera. Devido à possibilidade de sensibilidade cruzada com ácido acetilsalicílico e outros antiinflamatórios não esteroidais, o medicamento não deve ser administrado a pacientes que apresentem sintomas de broncoespasmo, rinite alérgica ou urticária induzidos por estes medicamentos.

Advertências

Em caso de aparecimento de diarréia, a dose deve ser reduzida ou o medica mento deve ser temporariamente suspenso. Certos pacientes que desenvolvem diarréia podem apresentar recorrência dos sintomas em caso de reexposição. Pacientes tratados cronicamente com AINEs podem apresentar toxicidade gastrintestinal séria como sangramentos, ulceração e perfuração, com ocorrência ou não de sintomatologia prévia. O sangramento gastrintestinal foi associado com história prévia de úlcera péptica, tabagismo e uso de álcool. Pacientes idosos ou debilitados parecem ter menor tolerância para ulceração e sangramento que outros indivíduos, e a maior parte dos relatos espontâneos de eventos gastrintestinais fatais está nesta população. O tratamento com ácido mefenâmico deve ser descontinuado em casos de eritema cutâneo. Como com outros inibidores de prostaglandina, foram relatados casos de nefrite intersticial aguda com hematúria, proteinúria e ocasionalmente síndrome nefrótica. Foi observada também toxicidade em pacientes com condições pré-renais levando a uma redução do fluxo sangüíneo renal ou do volume sangüíneo já que nesses pacientes a administração de um AINE pode causar uma redução dose-dependente na formação de prostaglandinas e precipitar uma descompensação renal observável. Pacientes de maior risco são os que possuem função renal prejudicada, .

Uso na gravidez de Acido Mefenamico

Categoria de risco na gravidez: C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião dentista. Ratas que receberam até 10 vezes a dose recomendada para humanos mostraram diminuição da fertilidade, atraso no parto e taxa de sobrevivência ao desmame reduzida. Não foram observadas anormalidades fetais neste estudo e nem em estudo no qual utilizou-se cães recebendo 10 vezes a dose recomendada para humanos. Como não existem estudos adequados e bem controlados em mulheres grávidas, o ácido mefenâmico deve ser utilizado apenas sob clara necessidade, entretanto, devido aos efeitos dessa classe de medicamentos sob o sistema cardiovascular fetal, não é recomendável utilizar a medicação nestas pacientes. Quantidades mínimas de ácido mefenâmico podem estar presentes no leite materno e passar para o lactente, desta forma o medicamento não deve ser utilizado por mulheres em fase de amamentação.

Interações medicamentosas de Acido Mefenamico

Varfarina: o ácido mefenâmico desloca a varfarina dos sítios de ligação à proteína, e pode aumentar a resposta a anticoagulantes orais. Portanto, a administração concomitante de ácido mefenâmico com fármacos anticoagulantes requer monitorização freqüente do tempo de protrombina. Heparina de baixo peso molecular: antiinflamatórios não esteroidais incluindo o ácido mefenâmico, podem alterar a hemostasia. O uso concomitante com heparina de baixo peso molecular pode aumentar o risco de sangramento. Inibidores seletivos da recaptação de serotonina: o uso combinado de inibidores seletivos da recaptação de serotonina e antiinflamatórios não esteroidais tem sido associado ao aumento do risco de sangramento. Lítio: antiinflamatórios não esteroidais, incluindo ácido mefenâmico, produziram uma elevação do nível plasmático de lítio e uma redução no seu clearence renal, sendo assim, quando o ácido mefenâmico e o lítio são administrados concomitantemente, os pacientes devem ser cuidadosamente observados com relação aos sinais de intoxicação por lítio.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Acido Mefenamico

Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis tais como diarréia, náuseas com ou sem vômitos, dor na região do abdômen, tonturas,nervosismo, sonolência, dor de cabeça, visão turva, convulsões e insônia.

Acido Mefenamico - Posologia

Os comprimidos de ácido mefenâmico devem ser ingeridos inteiros, sem mastigar. Dor média à moderada, artrite reumatóide, osteoartrite: nos adultos e adolescentes acima de 14 anos de idade, a dose reco mendada é de 500 mg, três vezes ao dia. Dismenorréia: a dose é de 500 mg, três vezes ao dia, administrada no início da dor menstrual e enquanto persistir a sintomatologia de acordo com o julgamento médico. Menorragia: a dose é de 500 mg, três vezes ao dia, administrada no início da menstruação e sintomatologia associada enquanto os sintomas persistirem e de acordo com julgamento médico. Síndrome pré-menstrual: a dose é de 500 mg, três vezes ao dia, começando no início da sintomatologia e continuando até término antecipado da mesma, de acordo com o julgamento médico.

Características farmacológicas

O ácido mefenâmico é um agente não esteroidal, com atividade antiinflamatória, analgésica e antipirética, seu nome químico é ácido N-2,3-xililantranílico. Seu mecanismo de ação preciso é desconhecido, entretanto verificou-se em estudos em animais que o ácido mefenâmico inibe a síntese de prostaglandinas e compete pelo sítio de ligação dos receptores de prostaglandinas.

Uso em idosos, crianças e em outros grupos de risco

Foi relatada diminuição da função renal, algumas vezes levando a insuficiência renal aguda. Pacientes idosos ou debilitados parecem incapazes de tolerar efeitos adversos como ulceração ou sangramento. A maioria dos relatos espontâneos de eventos gastrintestinais fatais encontrase nesta população.

Armazenagem

O medicamento deve ser armazenado na embalagem original até sua total utilização. Conservar o medicamento à temperatura ambiente (entre 15 e 30°C). Proteger da luz e umidade.

Acido Mefenamico - Informações

Ação esperada do medicamento O ácido mefenâmico é um antiinfla matório com atividade analgésica e antipirética, sendo indicado para o alívio sintomático da artrite reumatóide, osteoartrite, dor, dismenorréia (cólica menstrual) primária, menorragia (perda sangüínea excessiva durante a menstruação) por causas disfuncionais ou por uso de DIU e síndrome pré-menstrual.