Bula

Rifampicina - Bula do remédio

Rifampicina com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Rifampicina têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Rifampicina devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Laboratório

Lafepe

Apresentação de Rifampicina

cáps. 300mg: emb. c/ 10. 2% Susp. Oral

Rifampicina - Indicações

A Rifampicina está indicada para o tratamento das diversas formas de tuberculose e hanseníase, causadas por microrganismos sensíveis, mesmo que em associação com outros antibacterianos, na tentativa de diminuir a resistência. É também o fármaco de escolha no tratamento de portadores nasofaringeos de Neisseria meningitides de indivíduos que mantiveram contato com portadores de meningite miningocócica ou de crianças pequenas e sem imunização específica, que tiveram contato familiar com miningite pelo Hemófilo B.

Contra-indicações de Rifampicina

Pacientes com história anterior de hipersensibilidade às rifamicinas ou portadores de insuficiência hepática, pelo risco de agravamento deste quadro e ainda, uso concomitante de contraceptivos orais ou fármacos hepatotóxicos, insuficiência renal grave, gravidez e lactação.

Advertências

O aparecimento de coloração avermelhada na urina, saliva, lágrimas e lentes de contato gelatinosas, podendo inclusive manchá-las definitivamente. Hiperbilirrubinemia ou aumento de transaminases por isoladamente não impõem a suspensão do tratamento, sugerindo-se uma avaliação clínica e laboratorial antes de qualquer decisão. Exames pré-clínicos demonstraram teratogenia quandoutilizado em roedores, sob doses elevadas. Portadores de disfunção hepática só devem fazer uso desta terapêutica depois de totalmente avaliada a relação risco/benefício.

Uso na gravidez de Rifampicina

Contra-indicado.

Interações medicamentosas de Rifampicina

A Rifampicina pode causar diminuição dos níveis de prednisona, quinidina, cetoconazol, propanolol, digitoxina, clofibra e da sulfoniluréia, além de diminuir a eficácia dos anticoagulantes cumarínicos e dos contraceptivos orais. Além disso, é sabido que os antiácidos e o cetoconazol reduzem a absorção intestinal da Rifampicina.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Rifampicina

Rubor facial, prurido e rush cutâneo generalizado, assim como púrpura, epistaxe, metrorragia, hemorragia gengival e anemia hemolítica. Síndrome pseudogripal com febre, astenia, cefaléia, tremores e mialgia, podendo evoluir com nefrite intersticial, necrose tubular aguda, trombocitopenia e choques. Na área digestiva: Mal estar, inapetência, náusea, vômitos, icterícia, insuficiência hepática e diarréia.

Rifampicina - Posologia

Para garantir rápida e completa absorção aconselha-se a administração de Rifampicina com estômago vazio, longe das refeições. Tratamento das formas de tuberculose pulmonar e extrapulmonar: Primeira fase (dois meses): Até 20kg: 10mg/kg, em doses diárias; 20kg a 35kg: 300mg, em doses diárias; 35kg a 45kg: 450mg, em doses diárias; acima de 45kg: 600mg, em doses diárias. Segunda fase (quatro meses): Até 20kg: 10mg/kg, em doses diárias; 20kg a 35kg: 300mg, em doses diárias; 35kg a 45kg: 450mg, em doses diárias; acima de 45kg: 600mg, em doses diárias. Tratamento da meningite tuberculosa: Primeira fase (dois meses): Menores de 15 anos: 20mg/kg, em doses diárias; maiores de 15 anos: 600mg, em doses diárias. Segunda fase (quatro meses): Menores de 15 anos: 20mg/kg, em doses diárias; maiores de 15 anos: 600mg, em doses diárias. Rifampicina geralmente deve ser associada a outros tuberculostáticos. Tratamento de infecções inespecíficas: Adultos: Recomenda-se dosagem diária de 600mg; nas formas graves esta dosagem pode ser aumentada para 900 a 1.200mg. Nas infecções das vias urinárias, a dosagem diária recomendada é de 900 a 1.200mg. Nos casos de dosagens maiores, estas deverão ser fracionadas em duas administrações. Na blenorragia é indicada uma única administração diária de 900mg, que eventualmente poderá ser repetida também no 2o e 3o dias. Crianças: Recomenda-se dosagem diária de 20mg/kg em uma ou duas administrações. Em todos os casos (exceto na blenorragia), prolongar o tratamento por mais alguns dias, mesmo após o desaparecimento dos sintomas.

Rifampicina - Informações

A Rifampicina é um derivado semi-sintético da Rifamicina B, esta, produzida com resultado de processo de fermentação do Streptomyces mediterranei. Com ação em diversas bactérias Gram-negativas e Gram-positivas. O principal mecanismo de ação é a inibição da atividade RNA-polimerase DNA-dependente. Embora tenha boa ação antibacteriana, tem sido reservado para o tratamento de hanseníase e tuberculose, em associação com outros antibacterianos, causando rápida resistência, principalmente por mutação na unidade b da RNA-polimerase. Tem boa absorção no trato gastrointestinal, se reduzindo, no entanto, na presença de alimentos. Apresenta boa distribuição, atingindo inclusive o sistema nervoso. Atravessa a barreira placentária e leite materno. Sua metabolização se faz no fígado, com meia-vida de 3 horas de 600mg, diminuindo um pouco com doses repetidas o que é recompensado porque apresenta ação antibacteriana com níveis mínimos de concentração sangüínea.