Antimicóticos

Antimicóticos e tudo que precisa saber.

13/07/2021 0 Por cliquefarma

Se você já teve algum tipo de micose na unha ou na pele, sabe como isso causa bastante incômodo. Além de causar incômodo, muitas vezes pode afetar a nossa autoestima, nos causando vergonha da região em que a micose afetou. Muitas pessoas já foram afetadas por esse problema, e as regiões mais afetadas são as unhas dos pés e a pele dos membros superiores e inferiores. Mas outras regiões também podem ser afetadas pela micose. Para você evitar esse tipo de problema, é necessário ter alguns cuidados para não adquirir a micose. Mas caso você já tenha adquirido, alguma micose e não saiba como tratar o problema, os antimicóticos estão disponíveis para te ajudar.

Antimicóticos são medicamentos que combatem a micose. Esses medicamentos são vendidos como cremes, géis, esmaltes, e também como comprimidos para tratar a micose de dentro para fora.

Neste artigo você vai conhecer os medicamentos de classes de antimicóticos. Vai entender como eles funcionam e também você vai ver antimicóticos naturais que podem auxiliar no seu tratamento.

Mas antes de aprender sobre os antimicóticos precisamos conhecer o problema que esses medicamentos tratam, que são as micoses.

Micoses

A micose, também conhecida como dermatofitose ou infecção dermatofítica, é uma infecção fúngica da pele e da unha.

“Micose” é um nome impróprio, uma vez que um fungo, e não um verme, causa a infecção. Uma das lesões causadas por essa infecção lembra um verme em forma de anel – daí o nome.

A micose é geralmente usada especificamente para descrever a micose da pele, embora às vezes possa ser usada para descrever a infecção em outros locais, como micose na virilha ou na unha.

A infecção por micose pode afetar humanos e animais. A infecção aparece inicialmente como manchas vermelhas nas áreas afetadas da pele e, posteriormente, pode se espalhar para outras partes do corpo. Pode afetar o couro cabeludo, pés, unhas, virilha, barba ou outras áreas.

Antimicóticos

Micose significa que tenho vermes?

Apesar do nome, a micose não é causada por um verme. Os antigos gregos chamavam a micose de ” herpes “, que significa “anel”, enquanto os antigos romanos chamavam de “tinea”, referindo-se ao estágio larval de uma traça da roupa.

Caracterizada por lesões cutâneas arredondadas (anéis) e pela crença inicial de que a infecção era causada por um verme parasita, a palavra inglesa “micose” nasceu no início do século XV. Agora sabemos que é um fungo que causa a doença, e não um verme, mas o nome pegou.

Mas foi em 1841 que alguém percebeu que o fungo poderia ser responsável pela micose. Naquele ano, o médico húngaro David Gruby demonstrou que o favus, uma infecção do couro cabeludo, tinha uma causa fúngica. Infelizmente, sua pesquisa foi amplamente ignorada.

Em 1934, Chester Emmons publicou um estudo cuidadoso de várias espécies de fungos infecciosos, que ajudou a pavimentar o caminho para a nossa compreensão moderna da doença.

Militares americanos começaram a contrair micose durante a Segunda Guerra Mundial. Foi quando o governo dos EUA lançou um estudo intensivo sobre doenças fúngicas.

Antes disso, estudos dispersos de infecções por fungos conduzidos isoladamente levaram os pesquisadores a dar cerca de 1.000 nomes diferentes para cerca de 350 espécies de fungos relacionados. Esse estudo fez um grande progresso para esclarecer grande parte da confusão.

Como se adquire micoses

Embora o mundo esteja cheio de leveduras, bolores e fungos, apenas alguns causam problemas de pele. Os fungos da micose são conhecidos como dermatófitos – organismos microscópicos que se alimentam dos tecidos mortos da pele, cabelo e unhas, da mesma forma que um cogumelo pode crescer na casca de uma árvore.

Os dermatófitos causam infecções superficiais, assim chamadas porque ocorrem na superfície da pele.

A infecção é mais comum em locais pouco higiênicos e lotados. Isso porque esses fungos podem viver na pele e em superfícies como pisos de chuveiro e podem ser transferidos por contato direto com roupas, lençóis e toalhas infectados. Mesmo outros mamíferos, incluindo cães e gatos, podem infectar humanos.

Micoses de unha

Tinea unguium é geralmente causada por um de dois fungos: Trichophyton rubrum ou T. interdigitale. Embora a tinea unguium possa referir-se à infecção fúngica das unhas dos pés ou das mãos, as unhas dos pés têm muito mais probabilidade de contrair essa doença. 

Aqueles especialmente propensos a fungos nas unhas incluem homens, idosos, diabéticos, pessoas com doença vascular periférica ou qualquer pessoa com sistema imunológico comprometido.

Alguns dos sintomas de tinea unguium incluem:

  • Unhas amarelas, marrons ou descoloridas
  • Unhas duras
  • Unhas quebradiças
  • Unhas grossas
  • Unhas de formato irregular

Sem o tratamento adequado, uma unha infectada com essa infecção fúngica corre o risco de cair.

Antimicóticos

Micoses de pele

Os fungos podem ser encontrados em diversos lugares, como no solo, nas plantas e até mesmo na nossa pele. Esses microorganismos quando estabelecem morada na nossa pele, geralmente não causam problemas, exceto quando se reproduzem mais rápido do que o comum, penetrando na pele por meio de lesões ou cortes.

Lugares quentes e úmidos são ambientes perfeitos para os fungos se desenvolverem, por isso lugares que costumam propiciar essas condições em nossa pele, como os pés, a virilha e as dobras da pele, são os lugares mais comuns para desenvolvermos micoses.

As micoses geralmente se apresentam como erupções cutâneas ásperas e costumam descolorir e causar coceira na pele.

As micoses são problemas muito comuns na pele, e mesmo sendo um problema desconfortável e irritante, costuma não ser muito sério.

Micoses de pele geralmente são transmitidas por meio de contato direto, que pode ser por meio de roupas ou outros itens, bem como, por meio de uma pessoa ou animal.

Tipos de micose de pele

A maioria das micoses costumam afetar a pele. Além disso, membranas mucosas são afetadas por fungos. Como as membranas mucosas vaginais que são afetadas por fungos e candidíase oral

A seguir, abordaremos alguns dos tipos mais comuns de infecções fúngicas que podem afetar a pele.

Tinea corporis

Tinea corporis refere-se à micose do tronco, pernas ou braços. Diferentes fungos causam essa condição em diferentes partes do mundo. É comum que essa infecção se origine nos pés ou nas unhas e depois se espalhe para outras partes do corpo. 

Quando o fungo afeta a pele do corpo, geralmente produz as manchas redondas da micose clássica, que se caracterizam por um anel vermelho escamoso na pele que cresce para fora conforme a infecção se espalha. Embora as crianças sejam especialmente vulneráveis, ele também pode infectar adultos.

Tinea corporis pode ser aguda ou crônica. Quando agudo, o fungo causa manchas vermelhas de aparecimento súbito e coceira que podem se encher de pus e se espalhar rapidamente.

Quando crônica, a infecção se espalha por erupções levemente inflamadas mais lentamente e tende a aparecer nas dobras corporais. Quando a infecção é generalizada e crônica, é mais difícil de tratar e têm maior probabilidade de reaparecer.

Tinea pedis

Se você tem tinea pedis, a boa notícia é que você não está sozinho. O pé de atleta é a forma mais comum de micose em humanos. As más notícias? É também um dos mais difíceis de tratar.

A ruína dos vestiários e chuveiros, o pé de atleta pode ser um problema doloroso e causar coceira. Esta infecção é mais frequentemente encontrada nos pés de homens adultos jovens.

Tinea cruris

Outro problema da micose é a tinea cruris. Mais comum entre os homens adultos, a coceira provoca uma erupção cutânea escamosa marrom-avermelhada com bordas salientes na parte interna das coxas.

Às vezes, erupções em forma de anel também se formam nas nádegas. É improvável que esta infecção se forme no pênis ou vulva, ou ao redor do ânus.

Tinea capitis

A tinea capitis é mais comum em crianças com idades entre 3 e 7 anos e é menos frequentemente encontrada em adultos. O próprio cabelo pode ser infectado por vários fungos, que podem ser transmitidos por bovinos, cavalos, porcos, cães e gatos. 

Um culpado comum é o T. tonsurans, um fungo transmitido de pessoa para pessoa que geralmente não apresenta sintomas.

Diagnóstico da micose

Algumas formas de micose são mais fáceis de detectar do que outras. Os sinais reveladores de anéis vermelhos em relevo podem alertar os profissionais médicos sobre a infecção, o que torna o diagnóstico direto.

Em outras ocasiões, entretanto, a micose pode ser difícil de diagnosticar. Certos tipos de infecção são particularmente resistentes ao diagnóstico, como infecções no rosto e nas mãos. Nesses casos, o fungo pode causar infecções que se assemelham a muitas outras doenças de pele comuns.

Se o dermatologista tiver dificuldade para chegar ao diagnóstico, geralmente é feita uma pequena raspagem na pele. Essa raspagem pode então ser cultivada em um laboratório ou estudada sob um microscópio para confirmar o que causou a infecção em primeiro lugar.

Antimicóticos e como prevenir a micose

Micose é uma infecção muito comum e qualquer pessoa pode contraí-la. Algumas pessoas são especialmente propensas a infecções. Qualquer pessoa com o sistema imunológico comprometido corre um risco maior de ser infectada e terá mais dificuldade em lutar contra uma infecção.

Pessoas que usam vestiários públicos, chuveiros, piscinas e áreas comuns semelhantes que são quentes e úmidas também correm maior risco. Os atletas correm o risco de infecção porque tendem a suar, e seu equipamento atlético às vezes retém a umidade perto da pele.

Atletas que fazem muito contato pele a pele, como lutadores de MMA, são particularmente propensos a infecções de pele.

Pessoas que passam muito tempo com animais – fazendeiros, veterinários e tratadores de cães, por exemplo – também correm maiores riscos.

Não é fácil prevenir completamente a micose. No entanto, seguindo algumas etapas simples, o risco de desenvolver uma infecção será menor. Os próximos tópicos fornecem algumas dicas úteis de prevenção.

Não compartilhe

Os esporos da micose podem viver em roupas, equipamentos esportivos, toalhas, lençóis e pentes por anos. Não use itens íntimos de outras pessoas se quiser evitar infecções.

Calce sandálias e chinelos

Para evitar a micose, não ande descalço em vestiários, piscinas públicas ou chuveiros públicos. Em vez disso, calce um par de sandálias ou chinelos para dar uma barreira de proteção à pele.

Use sabão

Se você pratica esportes de contato, tome banho e se lave com sabão cuidadosamente após cada treino ou jogo. A mesma regra se aplica depois de acariciar um cachorro ou gato, para evitar a transmissão do fungo da micose de seus animais de estimação, certifique-se de lavar as mãos com água e sabão após brincar com qualquer mamífero.

Fique seco

Os fungos adoram umidade. Uma das melhores maneiras de mantê-los afastados é permanecer seco. Por exemplo, seque-se completamente após chuveiros e banhos.

Tratamento de fungos

As doenças fúngicas como a micose são mais difíceis de tratar do que as infecções bacterianas. Isso porque os fungos têm células mais complicadas que são mais semelhantes às nossas. Isso dificulta o desenvolvimento de medicamentos antimicóticos que eliminam o fungo, mas não prejudicam os seres humanos.

Como resultado, tratamentos tópicos e orais de longo prazo são necessários e podem não ser 100% eficazes. Os antimicóticos com prescrição podem ser mais eficazes, mas requerem a aprovação de um médico.

Tome a medicação conforme prescrito. Mesmo depois que a infecção parece ter desaparecido, ela pode reaparecer se o tratamento for interrompido precocemente.

Antimicóticos

O que são os antimicóticos?

Os agentes antifúngicos também são chamados de agentes antimicóticos. Eles matam ou inativam fungos e são usados ​​para tratar infecções fúngicas.

De modo geral, os medicamentos antimicóticos podem funcionar de duas maneiras: matando diretamente as células fúngicas ou impedindo que as células fúngicas cresçam e prosperem. Mas como eles fazem isso?

Os medicamentos antimicóticos têm como alvo as estruturas ou funções necessárias nas células fúngicas, mas não nas células humanas, de modo que podem combater uma infecção fúngica sem danificar as células do corpo.

Duas estruturas comumente visadas são a membrana celular do fungo e a parede celular do fungo. Ambas as estruturas circundam e protegem a célula fúngica. Quando qualquer um deles fica comprometido, a célula do fungo pode se abrir e morrer.

Os medicamentos antimicóticos são muito diversos. Eles podem ser administrados por via oral, como tratamento tópico ou por via intravenosa.

A forma como um medicamento antifúngico é administrado depende de fatores como o medicamento específico, o tipo de infecção que você tem e a gravidade da infecção.

Os medicamentos antimicóticos são classificados por sua estrutura química e pelo modo como atuam.

Quais são alguns medicamentos antimicóticos?

Medicamentos antimicóticos podem ser encontrados como cremes, loções, géis e como medicamentos via oral. 

Antimicóticos tópicos 

Cremes, líquidos ou sprays antimicóticos também chamados de antimicóticos tópicos são usados ​​para tratar infecções fúngicas da pele, couro cabeludo e unhas. Eles incluem clotrimazol, econazol, cetoconazol, miconazol, tioconazol, terbinafina e amorolfina. Eles vêm em várias marcas diferentes.

Às vezes, um creme antimicótico é combinado com outros cremes quando duas ações são necessárias. Por exemplo, um creme antifúngico costuma ser combinado com um creme esteroide suave, como a hidrocortisona, para tratar certas erupções cutâneas. O creme antifúngico elimina a infecção e o creme esteroide suave reduz a inflamação causada pela infecção.

Clotrimazol

Embora muitos tipos de fungos vivam inofensivamente em nossa pele, alguns podem causar infecções. Os fungos mais comuns que causam infecções de pele são o grupo de fungos tinea. O pé de atleta é uma infecção fúngica comum dos dedos dos pés, causada por um fungo desse grupo.

As infecções causadas por um fungo ou levedura também podem afetar outras partes do corpo – alguns exemplos são erupções cutâneas fúngicas, infecções fúngicas na virilha e erupções cutâneas fúngicas com suor. O clotrimazol alivia os sintomas de infecções de pele como essas, matando os fungos que causam a infecção.

Embora o clotrimazol esteja disponível com receita, você também pode comprar alguns medicamentos sem receita em farmácias e outros pontos de venda. Está disponível na forma de creme, spray e solução tópica (um líquido que é aplicado diretamente na pele).

O creme é usado com mais frequência, mas, quando grandes áreas da pele estão infectadas ou onde a área do corpo que está sendo tratada é bastante peluda, um spray ou solução tópica pode ser mais adequado.

Às vezes, o clotrimazol é combinado em um creme com um corticosteróide ou hidrocortisona ou betametasona. Esses cremes são prescritos quando a infecção faz com que a pele fique inflamada e dolorida.

O clotrimazol é um medicamento também utilizado para tratar infecções fúngicas em outras áreas do corpo que não a pele. Por exemplo, é usado para tratar candidíase vaginal e algumas infecções de ouvido.

Lembre-se de lavar as mãos com cuidado após usar o clotrimazol, pois isso ajudará a evitar que a infecção se espalhe para outras partes do corpo. Além disso, use uma toalha separada para outras pessoas até que a infecção desapareça.

As infecções fúngicas geralmente ocorrem em áreas quentes e úmidas do corpo. Depois de se lavar ou tomar banho, certifique-se de que todas as áreas da pele estão bem secas, especialmente as áreas como dobras cutâneas e entre os dedos dos pés.

É improvável que o clotrimazol cause efeitos colaterais graves. Ocasionalmente, pode causar alguma irritação quando é usado no início, e algumas pessoas apresentam reações alérgicas leves (como vermelhidão e coceira). Se sentir estes ou quaisquer outros sintomas, fale com o seu médico ou farmacêutico para mais aconselhamento.

Cetoconazol

O cetoconazol é um medicamento antimicótico aplicado na pele como um creme. Ele age matando o fungo que está causando a infecção. Ele está disponível com receita, e você também pode comprar algumas marcas sem receita em farmácias e outros pontos de venda.

Antes de começar a usar o creme, leia o folheto informativo impresso do fabricante dentro da embalagem. Ele lhe dará mais informações sobre o creme e uma lista completa dos efeitos colaterais que você pode sentir ao usá-lo.

Aplique o creme uma ou duas vezes ao dia na área afetada. Observação: você deve usá-lo regularmente duas vezes ao dia se estiver tratando o pé de atleta.

Junto com seus efeitos úteis, a maioria dos medicamentos pode causar efeitos colaterais indesejados, embora nem todas as pessoas os experimentem. O cetoconazol pode causar irritação leve, vermelhidão e coceira na pele.

Os efeitos indesejados melhoram frequentemente à medida que o seu corpo se adapta ao novo medicamento, mas fale com o seu médico ou farmacêutico se algum dos efeitos continuar ou se tornar um problema.

Antimicóticos via oral

A maioria dos antibióticos orais são medicamentos sujeitos a receita médica e estão disponíveis em várias formas de dosagem, como comprimidos, cápsulas e suspensões. Eles só devem ser usados ​​sob supervisão de profissionais de saúde.

Os antimicóticos orais podem ser geralmente classificados em três grupos principais: alilaminas, azóis e outros antifúngicos. 

As alilaminas e os azólicos matam as células fúngicas por diferentes mecanismos de ação, como por afetar uma substância na parede celular, fazendo com que o conteúdo da célula vaze e, assim, a célula morra.

Exemplo de alilaminas é a terbinafina e exemplos de azóis incluem fluconazol, itraconazol e cetoconazol. Outros antimicóticos, como a griseofulvina, atuam impedindo o crescimento e a reprodução das células fúngicas.

No caso ideal, o tratamento antifúngico deve ser escolhido após a identificação do organismo infectante, mas geralmente é necessário iniciar o tratamento antes que o patógeno possa ser cultivado e identificado, especialmente em pacientes com problemas na imunidade nos quais as infecções costumam ser rapidamente progressivas.

Efeitos colaterais de medicamentos antimicóticos orais

Como acontece com todos os medicamentos, os antimicóticos orais têm efeitos colaterais. Na maioria dos casos, os efeitos colaterais são leves e duram apenas um curto período de tempo, mas há casos raros de causar efeitos mais graves.

Os efeitos colaterais comuns são:

  • Cansaço
  • Náusea
  • Desconforto ou dor abdominal
  • Diarreia
  • Flatulência
  • Dor de cabeça
  • Irritação na pele
  • Indigestão

Os antimicóticos orais também podem causar reações graves, como reação alérgica (inchaço do rosto, pescoço ou língua ou dificuldade em respirar) e reações cutâneas graves (como descamação ou formação de bolhas na pele).

Além disso, em casos raros, podem ocorrer lesões hepáticas (particularmente para cetoconazol e itraconazol).

Precauções de medicamentos antimicóticos orais

Antimicoticos orais devem ser evitados ou usados ​​com cautela em pacientes com doença hepática ou com histórico de lesão hepática com outros medicamentos.

Deve informar o seu médico se estiver a tomar algum medicamento e estar familiarizado com os sinais de disfunção hepática e consultar imediatamente um médico se surgirem sintomas como diminuição do apetite, náuseas, vómitos, fadiga, dor abdominal ou urina escura.

Alguns antimicóticos orais devem ser usados ​​com cautela em pacientes com problemas cardíacos ou renais. Além disso, a maioria deles deve ser evitada em pacientes com porfiria aguda, um distúrbio genético que pode afetar o sistema nervoso, a pele ou ambos.

Tomar outros medicamentos, como o antiácido para o estômago, pode interferir na absorção dos antimicóticos orais. Além disso, os antifúngicos orais podem alterar a eficácia de outros medicamentos, como os estrogênios, que são hormônios encontrados em alguns anticoncepcionais, e a varfarina, que é um anticoagulante.

Antifúngicos caseiros

Embora muitos medicamentos estejam disponíveis para tratar micoses, os tratamentos naturais também podem ser eficazes.

Alho

O alho é frequentemente usado para tratar infecções. Embora não existam estudos que examinem os efeitos do alho na micose, ele tem comprovação eficaz para outros tipos de fungos.

Para usar o alho como tratamento, faça uma pasta de dentes de alho amassados ​​misturando o alho com um pouco de azeite ou óleo de coco. Aplique uma camada fina de pasta na pele afetada e cubra com gaze. Deixe no local por até 2 horas antes de enxaguar. Repita duas vezes ao dia até que os sintomas desapareçam.

Se a pasta de alho causar ardência, inchaço ou vermelhidão, enxágue imediatamente e não reaplique.

Água com sabão

Para evitar que a micose se espalhe ou infecte outras áreas do corpo, mantenha a pele o mais limpa possível. Para fazer isso, lave a infecção com sabão e água morna uma ou duas vezes ao dia. Certifique-se de secar a pele completamente, pois o fungo se desenvolve em áreas úmidas.

Sempre limpe a pele dessa maneira antes de usar qualquer um dos outros remédios caseiros listados abaixo.

Vinagre de maçã

O vinagre de maçã tem demonstrado propriedades antifúngicas contra Candida, outra infecção fúngica.

Para tratar micose com vinagre de maçã, molhe um algodão no vinagre não diluído e limpe a área afetada. Repita até 3 vezes ao dia.

Aloe vera

Aloe vera contém seis agentes antissépticos que, de acordo com pesquisas, exibem atividades antifúngicas, antibacterianas e antivirais.

Aplique o gel de uma planta de aloe vera na área da micose três ou quatro vezes ao dia. O gel também tem propriedades refrescantes, por isso pode aliviar a coceira e a pele inchada.

Óleo de coco

Certos ácidos graxos encontrados no óleo de coco podem matar células fúngicas, danificando suas membranas celulares.

Algumas pesquisas sugerem que o óleo de coco pode ser um remédio eficaz para pessoas com infecções de pele leves a moderadas. Use-o para tratar micose, aplicando óleo de coco líquido na pele três vezes ao dia.

Além disso, as pessoas podem usar óleo de coco como uma loção hidratante, que pode ser uma forma eficaz de prevenir futuras infecções de micose.

Cúrcuma

A cúrcuma é uma especiaria popular com propriedades anti-inflamatórias. Acredita-se que uma parte da cúrcuma conhecida como curcumina seja responsável pelos benefícios à saúde da especiaria. Estudos detalham suas extensas habilidades antimicóticas.

Consuma o açafrão como chá ou adicione-o às refeições para colher seus benefícios. Para aplicações tópicas, misture com uma pequena quantidade de água ou óleo de coco até formar uma pasta e aplique na pele. Deixe secar antes de limpar.

Esteja ciente de que a cúrcuma pode manchar a pele mais clara com uma cor amarela, mas isso vai desaparecer em alguns dias.

Óleo de orégano

O óleo de orégano feito de orégano selvagem contém dois antimicóticos fortes chamados timol e carvacrol.

Pesquisas demonstraram que o óleo de orégano pode impedir o crescimento do fungo Candida albicans. Sempre dilua o óleo de orégano com outro óleo antes de usar. Aplique o óleo na área afetada até três vezes ao dia.

Óleo de capim-limão

Foi demonstrado que o óleo essencial de capim-limão reduz a atividade de vários tipos de fungos. Para usar óleo de capim-limão para micose, misture-o com outro óleo e aplique na pele duas vezes ao dia com uma bola de algodão.

Bicarbonato de sódio

O bicarbonato de sódio é útil em infecções fúngicas, como o pé de atleta. Aplicar bicarbonato de sódio em pó nos pés e na parte interna dos sapatos ajuda a absorver a umidade e o suor. Assim, evita que a infecção se espalhe.

Peróxido de hidrogênio

O peróxido de hidrogênio, conhecido como água oxigenada, ajuda a curar o pé do atleta. Mergulhar nossos pés em uma solução feita com partes iguais de água e peróxido de hidrogênio mata efetivamente o fungo que causa os pés de atletas.

Chá Preto

Mergulhar os pés em chá preto também pode ser benéfico no tratamento de fungos nas unhas dos pés ou nos pés. O chá preto contém ácido tânico que resseca os pés, mata as bactérias e ajuda a fechar os poros dos pés para reduzir a transpiração.

Ferva dois litros de água e acrescente de cinco a seis saquinhos de chá. Deixe o chá esfriar e deixe os pés de molho por 30 minutos.

Gengibre

Gingerol presente no gengibre tem propriedades antimicóticas potentes. Adicionar gengibre à nossa dieta na forma de chá de gengibre ajuda a prevenir e tratar infecções fúngicas como a candida.

Quando ver um médico

Se os sintomas não desaparecerem dentro de 2 semanas de uso de remédios caseiros, pode ser necessário consultar um médico.

O médico pode recomendar o uso de uma loção tópica sem prescrição que contenha clotrimazol ou terbinafina. Esses produtos devem ser aplicados duas vezes ao dia. Em alguns casos, o médico pode prescrever medicamentos antimicóticos mais fortes.

Aqueles que têm probabilidade de espalhar a micose para outras pessoas por meio de seu trabalho ou estilo de vida – como professores e atletas – devem consultar seu médico imediatamente.

Antimicóticos

Onde comprar antimicóticos

Se você sofre com algum tipo de micose, tente usar algum medicamento natural ou que seja vendido livremente nas farmácias para uso tópico. Se a infecção fúngica persistir, procure um médico para que ele possa te ajudar da melhor forma, até mesmo prescrevendo um antimicótico via oral.

Na Cliquefarma você encontra uma incrível ferramenta comparativa de preços que pode te ajudar a encontrar o antimicótico que você precisa de forma rápida e prática.