Aparelhos de Glicemia

14/04/2021 0 Por cliquefarma

Você sabia que muitas pessoas possuem problemas de saúde, como a diabetes, que requerem o monitoramento diário da taxa de glicose na corrente sanguínea? Para esse procedimento existem os aparelhos de glicemia que ajudam a fazer esse controle pelo próprio paciente em sua casa mesmo. 

Fique com a gente e acompanhe esse texto, pois vamos falar tudo sobre esses aparelhos e seus benefícios, além de explicar sobre as consequências que os níveis de glicose altos ou baixos podem trazer para a vida dos pacientes e quais as atitudes tomar caso apresente uma alteração muito grande desses níveis. 

Aparelhos de Glicemia

O que é

Aparelhos de glicemia ou glicosímetros servem para medir a quantidade de glicose no sangue e é muito usado por pacientes com diabetes  e com hipoglicemia. É um aparelho imprescindível para se ter em casa você o paciente possui esses problemas e, para saber o essa quantidade, o usuário fura a ponta de seu dedo com o aparelho e a gota de sangue é colocada sobre uma tira-teste descartável que o mediador faz a leitura e mostra o nível de glicose no sangue. 

A glicemia é a quantidade de glicose presente no sangue, é conhecida também como açúcar no sangue que entra na nossa corrente sanguínea através dos alimentos, e no nosso corpo, ela é controlada por dois hormônios: a insulina e o glucagon. A primeira tem a função de diminuir o açúcar no sangue e o segundo é responsável por aumentar a quantidade. 

Quando os níveis de glicose do sangue não estão controlados, ou seja, na quantidade ideal, pode ocorrer a hipoglicemia e a hiperglicemia, níveis baixos e altos, respectivamente. E isso acontece porque os hormônios responsáveis por esse controle não estão conseguindo trabalhar direito e precisam de um tratamento médico. 

Os sintomas da hipoglicemia, ou seja, baixa quantidade de açúcar no sangue, podem ser os seguintes: tonturas, náuseas, confusão mental e até desmaios. Já os sintomas da hiperglicemia, quando há uma grande quantidade de açúcar no sangue, podem ser: boca seca, dor de cabeça, vontade constante de urinar e sonolência e, nessa situação, é onde surge a diabetes. 

Quando você perceber que está sentindo esses sintomas frequentemente, está na hora de procurar seu médico, pois ele irá realizar, entre outros exames, o de glicemia que será o caminho para indicar algum problema como: diabetes tipo 1 e 3, resistência à insulina, alterações na tireoide, problemas hormonais e no pâncreas. 

Feito o exame e comprovado alguma dessas doenças, você terá que começar um tratamento, muitos são pra resto da vida e começar a medir as taxas de glicemia do sangue diariamente e ou várias vezes ao dia, para isso, você terá que adquirir algum dos aparelhos de glicemia para pode ficar mais fácil fazer esse monitoramento na sua casa e não ter que deslocar. 

Com os aparelhos de glicemia e sob orientação médica, o paciente poderá fazer a medição da glicemia de 3 (três) a 4 (quatro) vezes ao dia, principalmente por pessoas que fazem a aplicação da insulina. Importante destacar que os níveis de glicose devem estar entre 80-130 mg/dl antes das refeições e menos de 180 mg/dl duas horas após as refeições.

Os aparelhos de glicemia são encontrados em qualquer farmácia, mas devem ser adquiridos sob a orientação do seu clínico geral ou endocrinologista e será seu aliado no controle da glicose do sangue, para que, se o nível estiver muito alterado, ele seja procurado e tome as medidas cabíveis. 

Pra que serve

Os aparelhos de glicemia servem para medir a quantidade de glicose, ou seja, a quantidade de açúcar no sangue e é usado por pacientes que têm alguma doença, como diabetes e precisam fazer o controle diariamente. Os aparelhos de glicemia  funciona da seguinte maneira:

  • Depois de ter configurado o seu aparelho de glicemia conforme as instruções de uso e com as mãos limpas, coloque uma fita no medidor.
  • Quando ela estiver encaixada, tire a proteção da agulha girando a ponta circular da lanceta e feche a caneta lancetadora.
  • Os números na ponta da caneta indicam a intensidade que a agulha vai furar o seu dedo. Geralmente a intensidade três é a indicada  para os adultos, as intensidades mais baixas são indicadas  para bebês e crianças que possuem uma pele mais fina e as intensidades mais altas são usadas para os adultos que possuem uma pele mais grossa.
  • Em seguida, ligue o aparelho e na tela vai aparecer o desenho de uma fita, indicando que é o momento para inseri-la no aparelho. Sem encostar os dedos nas extremidades da fita, observe onde tem uma seta e insira na direção que ela indica.
  • Quando estiver encaixada,  vai aparecer o desenho de uma gota de sangue na tela sinalizando que o aparelho está pronto.
  • Depois disso, aperte o dedo até ele ficar vermelho, encoste a caneta lancetadora na lateral do dedo e aperte o botão. Normalmente, a lateral do dedo dói menos do que no meio do dedo por conta da quantidade de terminações nervosas.
  • Com o dedo furado, aperte para sair o sangue e encostá-lo na ponta da fita. Em seguida, será feita uma contagem de cinco segundos e aparecerá na tela seu nível de glicemia

Eles são usados pelos médicos em seus consultórios para avaliar os níveis de concentração dessa substância na corrente sanguínea e eles também recomendam que cada paciente tenha o seu, pois dessa forma, fica mais fácil, já que eles precisam fazer a medição diariamente e várias vezes ao dia para fazer o monitoramento. 

Os aparelhos de glicemia devem ser higienizados frequentemente com um pano limpo e úmido e com água e sabão neutro, sem usar produtos fortes ou com álcool que possam danificar o aparelho. Essa limpeza é essencial para que os resultados sejam precisos, já que uma má conservação do mesmo pode alterar os resultados. 

Benefícios

Quem precisa fazer o controle diário do nível de concentração de glicose no sangue, sabe a necessidade de se ter um aparelho com essa finalidade em casa, pois necessita medir diariamente e várias vezes ao dia. Por isso, os benefícios dos aparelhos de glicemia, são: 

  • Ajuda a verificar se você está atingindo os objetivos gerais do tratamento, mantendo o nível de açúcar no sangue controlado;
  • Ajuda a entender como uma alimentação balanceada, os exercícios físicos e s diminuição do estresse podem afetar positivamente nos níveis de açúcar no sangue, reduzindo-os;
  • Ajuda a controlar o efeito dos medicamentos para a diabetes e os níveis de açúcar no sangue;
  • Possibilita que os pacientes e os médicos detectem níveis altos ou baixos de glicose no sangue, o que permite que se tomem as medidas terapêuticas necessárias;
  • Ajuda a proteger os pacientes verificando de imediato se os níveis de glicose estão baixos ou altos, a hipoglicemia e a hiperglicemia, respectivamente;
  • Permite que os pacientes considerem ter hábitos mais saudáveis para não ter grandes alterações nos níveis de glicemia e, consequentemente, problemas mais graves. 

Dessa forma, quando seu médico recomendar o uso desses aparelhos de glicemia, converse com ele e obtenha todas as informações necessárias para saber qual o modelo e o tipo adequado para você e como fazer o uso correto desse equipamento. 

Qual o melhor

O melhor aparelho de glicemia vai depender da quantidade de vezes que você precisa medir a sua glicemia, do tamanho, dos requisitos de armazenamento das últimas leituras, dos acessórios que o acompanha e aqueles que o seu plano de saúde cobre para você. 

Todos os aparelhos de glicose são de fácil portabilidade, mas alguns são maiores que outros e esse tamanho fará diferença em seu visor, portanto, caso você tenha dificuldades para enxergar coisas pequenas, opte pelos aparelhos que são um pouco maiores.  

Sabendo disso, é importante escolher aquele em que o número de tiras e lancetas sejam suficientes para o tanto de medição que você precisa, para que você não tenha que gastar muito além das que já acompanham o produto, pois alguns vem com uma quantidade mínima, cerca de 10 (dez) tiras e lancetas e outros com até 100 (cem), por isso, mesmo que seja um pouco mais caro esses ultimos, você não terá muita preocupação quando elas acabarem.

Também devem ser escolhidos aqueles que oferecem maior conforto na hora de seu uso, ou seja, não precisam de grande quantidade de sangue para fazer a leitura. Nesse sentido, graças às novas tecnologias, hoje já existem no mercado aparelhos de glicemia que não requerem furos na ponta do dedo e são feitos a partir de sensores que são colocados no corpo do paciente e basta a aproximação do aparelho para que seja feita a medição e eles estão cada vez mais ganhando seu espaço. 

É necessário também que sejam escolhidos os aparelhos de glicemia que fazem todo o procedimento e oferecem o resultado em alguns segundos, para que seja uma leitura rápida e não tome muito tempo do paciente. Além disso, os aparelhos de glicemia que apresentam uma tela/visor mais iluminado e com números maiores são ótimos, já que a leitura do resultado fica mais fácil e acessível.  

No caso de pacientes que possuem colesterol alto e precisam fazer o monitoramento diário, uma boa alternativa é comprar um aparelho de glicemia que contém as duas funções, facilitando a vida dessa pessoa. Outro fator muito importante, é comprar os aparelhos de glicemia que contém a codificação automática, para que os resultados sejam precisos e não apresentem erros. 

Aparelho de glicemia

Aparelho de glicemia ou glicosímetro é usado para fazer a medição e leitura da quantidade de glicose no sangue e saber se ela está no nível adequado, alto ou baixo. Quando está em altas concentrações acontece a hiperglicemia e quando está abaixo do nível ideal, ocorre a hipoglicemia, ambos os casos apresentam sintomas e podem ser sinal de alguma doença como a diabetes, algum problema hormonal, no pâncreas ou na tireoide. 

Para isso, o clínico geral ou endocrinologista terá que fazer o exame de glicemia e caso conste que realmente há um problema, o paciente terá que começar a monitorar a sua taxa de glicemia diariamente, de acordo com a recomendação dele. E por ser um controle de várias vezes ao dia, o ideal é que a pessoa adquira o seu aparelho de glicosímetro para que possa fazer o procedimento em casa e não tenha que se deslocar para o consultório ou alguma farmácia. 

Hoje em dia já existem diversos tipos e modelos desse aparelho que muitas vezes são cobertos pelo plano de saúde do paciente e encontrados em qualquer farmácia. O aparelho com o método antigo de furar o dedo para que a leitura fosse feita a partir da gota de sangue já vem sendo substituído por aparelhos nada doloridos que são os feitos por meio de sensores e de forma automática. 

É importante saber que alguns hábitos podem contribuir positivamente para que os níveis de glicemia se mantenham equilibrados, entre eles estão: praticar atividade física regularmente e fazer uma dieta balanceada e saudável, com restrição dos alimentos ricos em açúcares e carboidratos. 

Aparelho de glicemia capilar

O aparelho de glicemia capilar é usado para analisar os níveis de glicemia, isto é, açúcar na corrente sanguínea, feito a partir do sangue retirado da ponta do dedo com um pequeno furo. Esse aparelho é usado por quem possui diabetes, pré-diabetes ou hipoglicemia e precisa monitorar a taxa de açúcar no sangue constantemente. 

O médico endocrinologista irá recomendar que essa medição seja feita em vários momentos do dia, como antes e depois das refeições, antes de depois de acordar, pois os níveis glicêmicos variam muito nessas hipóteses. 

Para fazer esse procedimento é necessário estar com as mãos bem limpas e secas. Depois, insira uma fita de teste no aparelho de glicemia e espete o dedo com a agulha/lanceta do aparelho, encostando a fita na gota de sangue e aguardar alguns segundos para que o aparelho faça a leitura e mostre o resultado no seu visor. E como esse processo deve ser repetido várias vezes ao dia, o ideal é que seja em dedos diferentes a cada vez para evitar que fique dolorido. 

Esse aparelho de glicemia capilar permite que o paciente consiga monitorar os níveis de glicose no sangue e depois, que o médico consiga avaliar se os remédios e o tratamento estão dando resultados e caso a resposta seja negativa, ele irá fazer novos exames e tomar as medidas necessárias. 

Importante saber que alguns erros podem implicar no resultado errado da medição e você deve ficar atento com eles, que são: não limpar corretamente o aparelho, usar o aparelho ou a sua fita em temperatura diferente da temperatura ambiente, fazer o uso das fitas depois que venceram, deixar o aparelho de glicemia descalibrado e não retirar o volume de sangue necessário. 

Outro fator que vale a pena ser mencionado é que cada caso e cada problema tem uma variação do nível de glicose diferente, por isso é necessário sempre conversar com seu médico, já que ele saberá o que é normal e o que precisa de mais atenção. 

Aparelhos de glicemia aprovados pela Anvisa

Os aparelhos de glicemia aprovados pela Anvisa são aqueles que precisam estar dentro das normas e técnicas recomendadas por especialistas, principalmente por se tratar de um produto essencial para a vida de paciente com algum tipo de problema de saúde, como a diabetes, que se não for bem tratada e cuidada, pode levar o paciente à óbito. 

Por ser algo tão sério, esses aparelhos precisam apresentar resultados corretos e precisos para que não interfiram no tratamento do paciente, por isso eles devem passar por inúmeros testes antes de serem colocados no mercado. 

Dessa, forma,  a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) está sempre testando esses aparelhos e verificando se preenchem todos os requisitos necessários para que seja comercializados  e, de acordo com as necessidades que vão surgindo e os novos produtos que vão sendo lançados, esse órgão sempre atualizada a lista dos produtos que são aprovados e os que estão com seu uso suspenso até que sejam totalmente analisados.

Nesse momento, os aparelhos de glicemia aprovados pela ANVISA são:  

  • Accu-chek Active, da fabricante Roche
  • Accu-chek Guide da fabricante Roche
  • Accu-chek Performa da fabricante Roche
  • One Touch Ultra da fabricante Johnson & Johnson
  • Free Style Fredom Lite da fabricante Abbott

Dessa forma, se você adquire um aparelho de glicemia que não seja aprovado pela ANVISA, você corre o risco de ter um produto fora dos padrões ideais e que podem oferecer um resultado inadequado que interferirá negativamente na sua saúde e no tratamento da sua doença. 

Aparelhos de glicemia sem furar

Por muito tempo os aparelhos de glicemia que fazem a medição da quantidade de glicose no sangue a partir da gota de sangue obtidas pelo furo da ponta do dedo foram a única opção que os pacientes tinham, entretanto, mesmo que ainda faça parte da realidade de muitos, pois são mais baratos e possuem a cobertura do plano de saúde,  já existem outros tipos na invasivo, ou seja, que não precisam de nenhum furo para obter o resultado. 

Esses aparelhos de glicemia sem furar são a mais nova tecnologia e permitem que seja feita a medição através de sensores que são colocados como um adesivo no corpo da pessoa, geralmente no braço, e com a aproximação do aparelho nesse adesivo, é possível fazer a leitura automática. 

Esses tipos não atrapalham em nada a vida do paciente, que pode continuar fazendo suas atividades diárias sem preocupação, devendo ser retirado do corpo apenas quando estiver descarregado.  Eles são muito usados em crianças, já que elas são mais sensíveis à picada no dedo e podem dar mais trabalho na hora do procedimento. 

Esses tipos de aparelhos sem furar permite que a medição seja realizada até por um aparelho celular, bastando que seja baixado o aplicativo correspondente e fazer a aproximação, isso mostra que a tecnologia veio para ficar e para trazer praticidade para a vida dessas pessoas. 

Fita de glicemia

A fita ou tira de glicemia é uma das partes do aparelho de glicemia e contém reagentes químicos que quando combinados com a glicose presente na gota de sangue, possibilita fazer a leitura da taxa de glicemia na corrente sanguínea. Elas são descartáveis, ou seja, após uso único devem ser jogadas fora. 

Essas fitas são usadas nos aparelhos de glicemia comuns, ou seja, aqueles que precisam obter o sangue a partir do furo no dedo, isso porque, os mais avançados permitem que seja realizado o procedimento através de sensores. 

É válido lembrar que essas fitas devem ser usadas de acordo com marca correspondente ao seu aparelho e que devem ser colocadas corretamente no mesmo, porque, caso contrário, o resultado captado por ele pode ser divergente e interferir em todo o monitoramento da taxa de glicemia e no tratamento dos pacientes. 

A medição pelas tiras de glicemia é o método mais comum e mais acessível para as pessoas, inclusive por sua praticidade, que depois de acostumada, o paciente nem se incomoda mais com o momento de furar o dedo para que o sangue seja colhido. Além disso, esse tipo de medidor é muito mais barato que os aparelhos que medem através de sensores, isso porque esses ainda estão ganhando seu espaço no mercado. 

Dessa forma, converse com seu médico e pergunte a ele qual o melhor tipo para você e qual compensa mais, o de fitas ou o de sensor, para que assim, você possa investir no que melhor lhe trará benefícios e comodidade no dia a dia. 

Monitor de glicose

O monitor de glicose serve para que os pacientes monitorem os níveis de glicose no sangue e verifiquem se eles estão controlados, acima ou abaixo do ideal. Esse aparelho é muito usado por pacientes com diabetes, principalmente aqueles que aplicam insulina, para saber, ao longo do dia, como está a taxa de concentração do açúcar no sangue.

Esse monitor de glicose pode ser o tradicional ou o de uso contínuo. O primeiro é mais comum e com preço mais acessível, ele faz a medição através de uma gota de sangue colhida a partir de um furo no dedo e que, ao entrar em contato com uma tira/fita reagente, permite que a leitura seja feita e o resultado apareça no monitor. 

Já o segundo, tem a mesma finalidade, mas não precisa que o dedo seja furado para obter o sangue, já que é possível obter o resultado a partir de sensores que são colocados no corpo do paciente como se fossem um adesivo e com a aproximação do aparelho ou de um celular será possível fazer a leitura e indicar os níveis de glicose da pessoa naquele momento. 

Esse tipo de monitor pode ficar no corpo da pessoa até que fique sem bateria e não atrapalha nas atividades rotineiras, podendo, inclusive, tomar banho com ele, por isso que uma das suas características é a comodidade de seus usuários. 

O medidor padrão, na maioria das vezes, tem a cobertura pelo plano de saúde, por isso são mais acessíveis, diferente do monitor com sensor, que por serem mais recentes são mais caros. Com isso e sob a orientação do seu médico, faça a escolha adequada para você e sinta a melhora e praticidade de se ter seu próprio monitor de glicose fazer o procedimento na sua casa. 

Perguntas

Como usar medidor de glicose?

As instruções de uso estarão no manual do aparelho e também serão explicadas pelo seu médico. Há também diversos vídeos na internet que explicam o modo de usar, mas, de qualquer forma, o passo a passo para a utilização do medidor de glicose é: 

  • O primeiro passo é lavar bem as mãos e secá-las, pois a água pode interferir no resultado;
  • Feito isso, pegue o lancetador e encaixe a lanceta; 
  • Depois pegue o medidor de glicose e encaixe uma tira reagente. 
  • Após o encaixe correto, o monitor vai acender e esse será o momento de furar o dedo e colher a gota de sangue;
  • Com um algodão e um pouco de álcool, limpe bem a ponta do seu dedo que será realizado o procedimento;
  • Em seguida, pegue o lancetador com a lanceta, encoste a ponta no seu dedo e dispare o lancetador;
  • Depois pressione um pouco o dedo para sair a gota de sangue e com o medidor, encoste a ponta da tira na gota de sangue e espere uns segundos;
  • Com isso, o medidor fará a leitura e o resultado do nível de sua glicose vai aparecer na tela/visor do aparelho. Ao final, descarte as tiras e as lancetas e limpe o aparelho. 

É muito importante que o medidor de glicose seja usado de maneira correta para que o resultado seja preciso e não interfira negativamente em seu tratamento. Caso você perceba qualquer alteração ou defeito em seu aparelho, procure consertá-lo ou adquirir outro. 

Quais os tipos de aparelho de glicose?

Os tipos de aparelho de glicose variam de acordo com: métodos de medição, princípios de medição, as funcionalidades e algumas características importantes que devem ser levadas em conta na hora de comprar o seu aparelho. 

De acordo com o método de medição eles podem ser invasivos, não invasivos e de uso contínuo. Os primeiros são os mais comuns, aqueles que fazem a medição a partir de gota de sangue obtida pelo furo na ponta do dedo. 

Os não invasivos são aqueles que fazem a leitura através de sensores físico-químicos e por aproximação do aparelho. E os de uso contínuo é um monitor que fica no corpo do paciente, geralmente no braço e que faz o controle do nível de glicose automaticamente. 

Os princípios de medição são por glucose oxidase, glicose desidrogenase e por glucose óxido-redutase com coloração e esses princípios serão indicados para um tipo determinado de tratamento, já que podem interferir no resultado se forem usados de maneira errada. 

Na hora da compra, você também deve optar por aqueles de fácil e simples utilização e, de preferência, por aqueles que possuem a tela maior e mais iluminada para que a compreensão do resultado seja feita com mais clareza. Eles também devem ser de fácil transporte, sendo leves e compactos. Sua codificação deve ser automática para que o resultado seja preciso e a unidade de medida seja de fácil compreensão. 

Sendo assim, é só analisar o tipo e modelo mais adequado para você e, de acordo com a orientação do seu médico, adquirir o seu aparelho de glicemia e começar a fazer o seu controle diário para que, quando estiver fora no nível adequado, você saiba o que fazer e se for caso, procure seu médico para que ele tome as medidas necessárias. 

Qual a quantidade ideal de glicose no sangue? 

De acordo com especialistas, o nível recomendado de glicose no sangue é de: 

Para pessoas de até 59 anos e sem nenhuma doença o ideal é que esteja entre 80 e 120 mg/dL, já para as pessoas com idade acima de 60 anos, é entre 100 e 140 mg/dL. Para pacientes com alguma doença de coração, pulmão ou de rins, o certo é estar entre 100 e 140 mg/dL.  Antes das refeições o bom é que esteja entre 80 e 130 mg/dL e algumas horas depois das refeições deve estar abaixo de 180. 

Onde comprar aparelhos de glicemia

No nosso buscador e comparador de preços Cliquefarma, você pode encontrar diversos modelos e tipos de aparelhos de glicemia para você adquirir o seu  e se beneficiar com as vantagens deste produto.  Com apenas um clique, você encontra o melhor preço e a melhor opção de entrega do seu produto. Acesse agora mesmo e adquira o seu! 

E, aí? Gostou do texto? Já pensou em adquirir o seu aparelho de glicemia? Não se esqueça de curtir e compartilhar com seus amigos e familiares! Também busque por mais informações sobre esse equipamento e ouça as recomendações do seu médico para fazer o uso correto! E, se restar alguma dúvida, deixe um comentário ou entre em contato conosco!