CID – Conheça tudo o que precisa saber.

23/11/2021 Off Por cliquefarma

No vasto mundo da medicina moderna, existem diversos tipos de doenças e questões que devem ser tratadas e conhecidas pelos médicos responsáveis, visando a boa saúde e o tratamento adequado do paciente, que contam com a ajuda da modernidade e também da transformação digital para ter sempre em mãos a classificação dos diversos tipos de doenças para efetuar da melhor maneira o seu importante trabalho dentro da medicina.

Contar com a ajuda de instrumentos atualizados e de ponta certamente contribui para que os profissionais médicos trabalhem da melhor maneira, visando contextualizar o seu trabalho com base em classificações já preexistentes no mundo da medicina.

Pensando nesse ramo da saúde que é de extrema importância para todo o mundo, no artigo de hoje, falaremos sobre a CID (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde), entendendo o que é a CID, como a CID pode ser usada pelos profissionais da saúde, para que a CID é importante, se a CID pode ser incluído no atestado médico das pessoas, qual a CID que está vigente no mundo atualmente, o que muda com a entrada e vigência da CID-11 no ano de 2022, algumas novidades relacionadas a CID-11, Gaming disorder (distúrbio em games), o estresse pós-traumático, a resistência antimicrobiana, a saúde sexual, a saúde e a globalização, a migração dos médicos dos países subdesenvolvidos, os problemas de saúde nos países desenvolvidos, um país desenvolvido não deveria erradicar todas as doenças, a saúde mental na CID e demais outros pontos que podem dar uma maior relevância para o tema principal.

O leitor ficou curioso ou até mesmo interessado sobre esse importante assunto relacionado à saúde? Então vem com a gente saber mais!

O que é a CID?

O CID é a principal ferramenta utilizada no dia a dia dos médicos e até mesmo dos mais diversos profissionais relacionados com a saúde de todo o mundo. A sua primeira versão foi elaborada e devidamente aprovada no ano de 1893 e, com o passar dos anos e com o surgimento de novas doenças na sociedade, ela vem sendo revisada de maneira periódica pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e também pela ONU (Organização das Nações Unidas). 

A sua principal função é a de fazer a monitoração e verificação da incidência das doenças e dos problemas de saúde pública enfrentados por todo o mundo, criando uma padronização que seja universal, podendo até mesmo explicar a prevalência de certas doenças em algumas regiões do mundo.

Ela irá trazer consigo um padrão de sintomas e sinais das doenças, como também as suas principais queixas, causalidades externas para a ocorrência de ferimentos e até mesmo o contexto social vivido por sociedades específicas, criando dessa maneira, um vasto panorama da saúde nos países e também nas suas populações.

Como a CID pode ser usada pelos profissionais da saúde?

O CID pode ser usado para classificar as doenças e outros problemas de saúde por diversos profissionais da saúde, como:

  • Médicos das mais diversas especialidades;
  • Diversos profissionais da saúde, como os psicólogos;
  • Gestores da área da saúde;
  • Empresas públicas e privadas;
  • Seguros de saúde;
  • Pesquisadores da área da saúde.

Para que a CID é importante?

Ter como base o CID, é muito importante para que o mundo inteiro consiga falar a mesma língua quando o assunto é sobre doenças.

Ter uma base nesse tema, um norte a ser seguido, é muito importante para todos os tipos de processos existentes no mundo moderno e globalizado.

Com o auxílio do CID, os médicos do mundo inteiro conseguem dialogar muito mais facilmente entre si, é como se o CID fosse uma língua estrangeira, que apenas fosse falada e compreendida pelos profissionais da área da saúde. Contar com o CID certamente facilita a vida dos profissionais para a realização de pesquisas na área da saúde e também para que sejam feitos multi atendimentos entre diversas especialidades.

Como exemplo prático, podemos pensar da seguinte forma: em muitos casos de adoecimento, uma pessoa precisa passar por uma gama de profissionais distintos para o seu tratamento. Se uma pessoa é diagnosticada com depressão por um médico psiquiatra, ela certamente precisará fazer acompanhamento com um psicólogo.

Então, depois do diagnóstico do psiquiatra ter sido feito e o número do CID ter sido encontrado para o caso, a pessoa certamente será encaminhada para o profissional psicólogo.

Chegando no atendimento, o profissional psicólogo verá que a pessoa já foi diagnosticada com o CID de depressão e, desse modo, o atendimento não irá mais partir do zero, dado que o profissional psicólogo, por meio da linguagem do CID que foi enviado pelo psiquiatra, já sabe que o seu cliente foi diagnosticado com depressão.

Essa, sem sombra de dúvidas, acaba sendo a maior importância do CID, pois, por meio de uma simples classificação, todo atendimento e manuseio de uma situação acaba sendo extremamente facilitado com a ajuda desta ferramenta. 

Com o CID, o tratamento das doenças e o seu acompanhamento podem ser feitos de uma maneira muito mais prática, acompanhada e limpa, sem que a pessoa precise ficar passando por diversos diagnósticos em todas as suas consultas.

O CID pode ser incluído no atestado médico das pessoas?

Dependendo do caso, se o paciente solicitar a inclusão, não há problemas do médico colocar o seu diagnóstico e o código CID no atestado do paciente, mas apenas com a autorização ou pedido do paciente. 

Mas de modo geral, é proibido que seja colocado o código do diagnóstico no preenchimento de demais guias ou solicitações de exames para o paciente. 

Qual a CID que está vigente no mundo atualmente? A CID-10 ou a CID-11?

A última versão do CID é a CID-10, que está vigente no ano de 2021 e foi aprovada no ano de 1989 pela 43ª Assembleia Mundial da Saúde (fazendo 32 anos desde que a CID-10 está em vigor no mundo atual).

No ano de 2022, entrará em vigor a CID-11, que já foi devidamente elaborada e aprovada pelos órgãos de saúde competentes.

O CID se encontra disponível para consulta em 43 línguas distintas, marcando a sua presença em mais de 115 países ao redor de todo o mundo (existem atualmente 193 países que são reconhecidos pela ONU em todo o mundo). 

O que muda com a entrada e vigência da CID-11 no ano de 2022?

A OMS e a ONU já elaboraram, aprovaram e até mesmo lançaram a nova CID-11 que entrará em vigor no dia primeiro de janeiro do ano de 2022. 

Depois de 32 anos desde o lançamento da CID-10, a versão atualizada chega ao mundo da medicina com algumas novidades.

Dentre as principais novidades deste documento, pode ser destacada uma inclusão de doença muito importante para a sociedade moderna, que é o distúrbio de games, sendo agora verdadeiramente considerado como um sério problema de saúde mental. Fora isso, novos capítulos foram devidamente adicionados, com a inclusão de temáticas da medicina mais tradicional e até mesmo mais voltados para a saúde sexual.

Como o tema da saúde é muito delicado em todo o mundo, a própria ONU disponibiliza de maneira antecipada para os países uma prévia visualização da CID-11 que será implantada no ano de 2022, isso para que haja uma preparação antecipada dos países em relação ao seu uso.

Os países de todo o mundo obrigatoriamente precisam preparar as suas devidas traduções do documento e até mesmo preparar os seus profissionais da saúde para a nova atualização, o que requer tempo, investimentos e muita organização.

Em 2019, esse documento já havia sido apresentado para todo o mundo e, agora no começo do ano de 2022, é esperado que ele seja implantado de uma maneira mais efetiva.

Algumas novidades relacionadas a implantação da CID-11

De modo geral, a CID-11 chegou ao mundo da medicina para refletir as mudanças que ocorrem no mundo de 30 anos para cá, considerando os avanços feitos pela medicina e até mesmo feitos pela tecnologia que é voltada para a área da saúde.

Um ponto muito positivo é que os códigos da CID-11 e as suas ferramentas foram muito mais facilitadas, permitindo que os profissionais da saúde possam fazer os seus registros de uma maneira muito mais rápida, eficaz e até mesmo facilitada. 

A classificação da CID-11 conta com 55 mil códigos voltados para as lesões, causas de morte e doenças, enquanto a CID-10 contava com muito mais, sendo em torno de 14.400 códigos.

Abaixo, falaremos um pouco mais sobre algumas das doenças que foram incluídas na classificação da CID-11.

A inclusão do Gaming disorder (distúrbio em games)

O gaming disorder é uma doença nova do mundo moderno que foi incluída na CID-11 de 2022, essa doença é definida como uma desordem no comportamento, sendo essa desordem percebida no indivíduo de maneira persistente ou até mesmo e em muitos dos casos, recorrente. Ela pode ser muito grave, resultando em que o indivíduo comprometa de uma maneira significativa diversas áreas do seu funcionamento. 

Normalmente, esse indivíduo irá encontrar problemas em todas as vertentes da sua vida (social, educacional, familiar, pessoal, etc). 

Acréscimo relacionado ao estresse pós-traumático

O quadro de estresse pós-traumático já estava disponível na CID-10, mas, agora na versão da CID-11, irá ocorrer uma mudança muito significativa e positiva. A quantidade de termos voltados para esse tipo de transtorno será muito reduzida, simplificando o trabalho dos profissionais, que poderão fazer um diagnóstico final muito mais facilitado. 

A resistência antimicrobiana

Os códigos desse acometimento também irão ser encontrados de uma maneira muito mais prática e alinhada, tendo como base o sistema global de vigilância. Desse modo, os casos de resistência poderão ser melhor mapeados e, consequentemente, as ações e os controles necessários estarão sendo muito mais focados.

Acréscimo relacionado a saúde sexual

Diversos capítulos importantes também foram acrescentados na CID-11, estando entre eles os relacionados à saúde sexual. Esses capítulos visam atualizar a visão do documento para algumas categorias mais específicas na questão de saúde sexual e até mesmo na questão de gêneros e orientações sexuais. 

A saúde e a globalização

É muito importante que as pessoas entendam que a saúde e o mundo globalizado estão intimamente ligados entre si. Com a entrada de uma nova era muito mais moderna, avançada e tecnológica, a união do mundo com a ajuda da globalização é muito importante para que os diversos problemas sociais e relacionados às doenças sejam devidamente resolvidos ao redor de todo o mundo.

Alguns países desenvolvidos podem, com muito orgulho, afirmar que conseguiram erradicar diversos tipos de doenças dos seus territórios. Enquanto outros países, menos desenvolvidos e, consequentemente, menos ricos, enfrentam muitos problemas e mortes relacionadas à doenças que podem ser facilmente tratadas e extintas com o tratamento e acompanhamento correto.

Claro que, se fosse tão fácil assim erradicar uma doença, não existiriam mais doenças ao redor do mundo. A verdade é uma só: não é fácil tratar da temática relacionada às doenças! E, por isso, é necessário que o mundo todo se una como um só na hora de analisar essas tratativas, como é feito com a elaboração da CID.

As questões relacionadas à saúde são muito mais delicadas do que a maioria das pessoas pensam. 

Até mesmo a simples ação de aplicar uma vacina em algumas regiões do mundo, pode ser uma missão muito difícil, dado que muitas pessoas e crenças não acreditam na efetividade e importância das vacinas, ou até mesmo acreditam em teorias conspiratórias que dizem que as vacinas irão exterminar toda a humanidade. 

Com uma crença de uma grande quantidade de pessoas nessa ideia, a dificuldade para que uma doença seja extinta aumenta muito! E, por conta disso, que muitas regiões do mundo assistem a morte de pessoas por doenças simples, mas que quando não são extintas, podem se tornar um grande risco para a saúde pública.

A migração dos médicos dos países subdesenvolvidos

Para os países que já são desenvolvidos e ricos, lidar com os problemas de saúde pode ser muito mais fácil! Mesmo que, na sociedade moderna, diversos problemas de saúde tenham nascido nos países desenvolvidos, como o gaming disorder (novo distúrbio em games incluído na CID-11), tratar e fazer o acompanhamento da pessoa que foi acometida por esse distúrbio é possível, já em outros países que se enquadram na lista de países subdesenvolvidos, a realidade acaba sendo bem diferente, e doenças mais primitivas acabam matando diariamente muitas pessoas.

E um dos motivos disso se dá no fato de que os médicos formados irão buscar por uma melhor qualidade de vida para si e para a sua família, preferindo, na grande maioria dos casos, trabalhar diretamente em um país que já esteja desenvolvido e possa trazer para ele uma melhor remuneração e qualidade de vida.

Mesmo as pessoas que se tornam médicas e são nascidas e criadas em países subdesenvolvidos, acabam entrando nesse dilema e optando por sair do seu país de origem  para conseguir trabalhar em melhores condições.  

Muito além de ganhar mais dinheiro exercendo a medicina, esses profissionais também podem contar com uma melhor estrutura física como um todo, que em muitos casos, nem mesmo existe nos países subdesenvolvidos.

O resultado disso? Os países subdesenvolvidos ficam sem médicos, tendo maiores problemas de saúde pública para enfrentar.

O médico, muito além de tratar as doenças que estão relacionadas na CID, também são de fundamental importância para a prevenção das doenças e até mesmo para orientar as pessoas a cuidarem da melhor maneira da sua saúde.

Nas regiões em que os médicos estão em menor número ou até mesmo em falta, a qualidade de vida e até mesmo a expectativa de vida das pessoas cai muito e, por conta disso, é tão importante que o mundo se una como um só para ver detalhadamente essas necessidades e esses problemas, trabalhando de maneira conjunta para resolvê-los.

É certo que, os médicos que exercem a medicina em situações mais extremas e precárias, devem ter um melhor subsídio e apoio dos governos para ajudar na sua prática.

Com essa visão mais aprofundada das regiões que é trazida pelas pesquisas de saúde da CID, os governos conseguem entender onde os médicos estão sendo inseridos em situações mais delicadas ou até mesmo mais críticas, como zonas de guerra ou países que estão passando por algum surto de doença.

CID

Os problemas de saúde nos países desenvolvidos 

Se engana quem pensa que os países desenvolvidos também não enfrentam os seus problemas relacionados à saúde pública e à saúde da sua população. Mesmo que contem com uma melhor estrutura de saúde, mais médicos e até mesmo mais dinheiro para investir em pesquisas e curas de doenças, os países desenvolvidos também sofrem muito com essas questões.

Claro que esse sofrimento será minimizado pelas facilidades que não estão disponíveis nos países em desenvolvimento, mas certamente podem custar a vida de muitas pessoas até que haja um controle da situação.

Um caso recente que pode ser analisado, é o da própria COVID19, que matou, e ainda está matando, diversas pessoas ao redor de todo o mundo.

Quando a COVID surgiu, no final do ano de 2019 e começo do ano de 2020, não havia nenhuma vacina e nem mesmo nenhum tipo de tratamento certo para a doença, então, muitas pessoas morreram em decorrência dessa doença ao redor de todo o mundo, seja nos países desenvolvidos ou mesmo nos países subdesenvolvidos. 

Mas, em contrapartida, quando a vacina foi descoberta, ela foi pesquisada, elaborada e até mesmo produzida pelos países desenvolvidos, provando a importância da estrutura, pesquisa e demais investimentos voltados para as diversas vertentes da saúde. 

E, ainda pensando nesse caso em específico para uma melhor compreensão da temática, a importância da globalização se dá no fato da vacina ter sido entregue para todos os países do mundo, estejam eles em desenvolvimento ou não.

Mas, muito além de visar apenas o caso da pandemia da COVID19, os países desenvolvidos também criam ou dão força para as suas próprias doenças, como é o caso do aumento da ansiedade, da depressão, da obesidade e dos distúrbios mentais relacionados à tecnologia, que são muito percebidos nos países que são desenvolvidos. 

Um país desenvolvido não deveria erradicar todas as doenças? 

Em um mundo utópico, todas as doenças do mundo seriam erradicadas, mas não é assim que funciona na prática! As doenças sempre irão existir, como existiram desde o começo da humanidade, irão existir até o final dela, com a extinção dos humanos.

Os vírus e as bactérias têm o instinto de se fortalecer de maneira natural, assim como o próprio ser humano também tem.

A verdade é que as doenças apenas irão mudar de nome e de localização, mas sempre irão existir em todas as sociedades, sejam elas desenvolvidas ou não. 

CID

A saúde mental na CID

Nos países desenvolvidos, e até mesmo nos países subdesenvolvidos, o sofrimento psíquico acabou se tornando um grande problema de saúde pública para ser enfrentado pelos governos e pelas instituições competentes.

Diversos estudos apontam que as pessoas nunca estiveram tão estressadas, ansiosas, depressivas e até mesmo desanimadas com a sua vida como um todo.

Mesmo na era que é considerada “a época das luzes”, o acometimento dessas doenças é muito mais comum do que a grande maioria das pessoas sequer imagina. E isso se torna um problema de saúde pública porque há uma taxa maior de suicídios, de pessoas que apresentam sintomas físicos que refletem a sua falta de saúde mental e até mesmo a necessidade que sejam disponibilizados remédios para o tratamento dessas doenças, que já estão inseridas na CID-10 e também na CID-11.

No Brasil, em que o sistema de saúde é público (SUS), a decorrência de problemas com a questão da saúde mental já se encontra sendo muito discutida pelos profissionais, dado que, o trabalho de prevenção que é feito no Brasil é muito fraco, então a causa das doenças mentais acabam sendo mais difíceis de serem identificadas, tratadas e, principalmente, evitadas.

A maior dificuldade se dá porque as doenças mentais não são palpáveis, não podem ser vistas, elas ocorrem em decorrência das estruturas mentais, por isso a sua prevenção, tratamento e até mesmo cuidados adicionais, acaba sendo muito mais difícil de ser feita.

Como exemplo prático, podemos pensar que quando uma pessoa quebra um osso do braço, ela vai ao médico especializado para que ele coloque novamente o seu osso no lugar correto. Apenas sentindo o braço, o médico poderá ver onde está o problema e voltar o osso do braço rapidamente.

E na questão da saúde mental, toda essa praticidade é completamente inexistente! Não tem como um médico ou mesmo um psicólogo ou psiquiatra abrir a cabeça de uma pessoa e fazer com que ela não se sinta mais depressiva, triste ou ansiosa puxando alguns fios daquela região e resolvendo na hora o seu problema.

Dado que, até mesmo o uso de medicação para essas questões quando é feito durante toda a vida, não irá fazer com que a pessoa realmente seja curada.

Para que haja um verdadeiro processo de cura das questões relacionadas à saúde mental, é preciso que a pessoa seja submetida à um trabalho multiprofissional, que varia do médico psiquiatra, do psicólogo, do clínico geral e até mesmo pode contar com a ajuda de um bom nutricionista, dado que a alimentação está muito ligada com a qualidade de vida e com a saúde mental. 

O cuidado com a saúde mental não é palpável, e por isso, se torna ainda mais difícil de ser devidamente curado sem o suporte e ajuda dos profissionais que foram mencionados acima. Agora, com a sociedade médica verdadeiramente entendendo a vasta gama de doenças mentais que existem na sociedade atual e que acometem de diversas maneiras as pessoas, a CID-10 e a nova CID-11 de 2022, considera diversos transtornos dentre os seus códigos. Alguns podem até mesmo ser conhecidos abaixo:

  • F20.4 – Depressão pós-esquizofrênica;
  • F25.1 – Transtorno esquizoafetivo do tipo depressivo;
  • F31.3 – Transtorno afetivo bipolar, episódio atual depressivo leve ou moderado
  • F31.4 – Transtorno afetivo bipolar, episódio atual depressivo grave sem sintomas psicóticos;
  • F31.5 -Transtorno afetivo bipolar, episódio atual depressivo grave com sintomas psicóticos;
  • F32 – Episódios depressivos;
  • F32.0 – Episódio depressivo leve;
  • F32.1 – Episódio depressivo moderado;
  • F32.2 – Episódio depressivo grave sem sintomas psicóticos;
  • F32.3 – Episódio depressivo grave com sintomas psicóticos;
  • F32.8 – Outros episódios depressivos;
  • F32.9 – Episódio depressivo não especificado;
  • F33 – Transtorno depressivo recorrente;
  • F33.0 – Transtorno depressivo recorrente, episódio atual leve;
  • F33.1 – Transtorno depressivo recorrente, episódio atual moderado;
  • F33.2 – Transtorno depressivo recorrente, episódio atual grave sem sintomas psicóticos;
  • F33.3 – Transtorno depressivo recorrente, episódio atual grave com sintomas psicóticos;
  • F33.4 – Transtorno depressivo recorrente, atualmente em remissão;
  • F33.8 – Outros transtornos depressivos recorrentes;
  • F33.9 – Transtorno depressivo recorrente sem especificação;
  • F41.2 – Transtorno misto ansioso e depressivo;
  • F92.0 – Disturbio depressivo de conduta;
  • P91.4 – Depressão cerebral neonatal;
  • T42.8 – Intoxicação por drogas antiparkinsonianos e outros depressores centrais do tônus muscular;
  • T43.0 – Intoxicação por antidepressivos tricíclicos e tetracíclicos;
  • T43.1 – Intoxicação por antidepressivos inibidores da monoaminoxidase (MAO);
  • T43.2 – Intoxicação por outros antidepressivos e os não especificados;
  • Y49.0 – Efeitos adversos de antidepressivos tricíclicos e tetracíclicos;
  • Y49.1 – Efeitos adversos de antidepressivos inibidores da monoamino-oxidase;
  • Y49.2 – Efeitos adversos de outros antidepressivos e os não especificados;
  • Y57.0 – Efeitos adversos de depressores do apetite (anoréxicos).

Os códigos e descrições disponíveis na CIDs relacionados na listagem acima, se referem aos casos de depressão que podem ser identificados nas pessoas que estão sofrendo com a sua saúde mental debilitada pelos sintomas depressivos. 

Considerações finais sobre a CID

As questões relacionadas à saúde das pessoas são muito mais complexas do que podemos imaginar sem parar para fazer muitas perguntas e analisar muitas respostas.

Desde a sua realidade econômica, o seu país de origem, a religião e os seus costumes, podem influenciar de maneira positiva ou negativa nas questões de saúde de todos os indivíduos do mundo moderno.  

Dado essa vasta gama de individualidades, situações e também do surgimento e fortalecimento de doenças que já são naturais da própria natureza humana e externa, é que a importância da existência da CID é ainda mais reforçada e primordial para uma tentativa de controle dessas situações.

Com essa padronização sendo feita de maneira minuciosa pelos especialistas, o mundo acadêmico da medicina conta com uma poderosa arma para lutar de uma forma mais elaborada contra as doenças e até mesmo contra as situações que podem ocasionar em maiores problemas com doenças ao redor do mundo.

É muito bom estar sempre mais atualizado sobre o que acontece no mundo da medicina, não é mesmo? 

Para que você leitor possa estar cuidando muito bem da sua saúde, que tal você dar uma olhada agora mesmo nos remédios e produtos que temos disponíveis aqui na Cliquefarma? É só clicar no link ao lado para ter acesso a todo nosso portfólio de remédios, vitaminas, suplementos e etc.  

E lembrando que, caso o leitor tenha alguma dica, informação, observação ou experiência sobre a CID que deseje compartilhar conosco, já sabe o que fazer, não é mesmo? Vem comentar aqui com a gente! Vamos adorar saber mais sobre vocês! E as sugestões para os futuros temas vistos aqui na página também são acatadas, viu? Conta pra gente sobre o que você deseja saber mais por aqui!