Comparar preços de Remédios é mais economia para você!

12/01/2021 0 Por cliquefarma

O artigo de hoje será para te darmos dicas interessantes para economizar na hora de comprar medicamentos pela internet. Você sabia que um mesmo medicamento pode ter uma variação de preços de até 22 vezes mais alto de uma farmácia para outra? Pois é, em uma pesquisa feita pelo Procon-SP em 15 cidades, foi comparado o preço em duas categorias separadas: genéricos e medicamentos de referência e as diferenças de preços chegaram a até 2.258,82%. Portanto, veja este artigo até o final e saiba as vantagens de se pesquisar sempre antes de comprar na primeira farmácia que aparecer! 

Por que devo comparar preços de medicamentos antes de comprá-los?

Você costuma pesquisar preços de medicamentos? Geralmente passamos pela farmácia mais próxima e efetuamos a compra, sem saber se estamos pagando caro ou barato em determinado remédio. São poucas as pessoas que buscam comparar o preço de remédios. No entanto, é importante saber que o preço de produtos de saúde pode variar, apesar de algumas pessoas acreditarem equivocadamente que eles são tabelados.

 

Para um medicamento de valor simples, as diferenças podem parecer insignificantes, mas para remédios de preço elevado, fazer comparação significa uma economia relevante na hora da compra!  Por exemplo: o medicamento para corrigir aumento exacerbado de prolactina conhecido como Cabergolina (dosagem de 0,5 mg e embalagem com 8 comprimidos) é encontrada no mercado por R$201,64, sendo que o menor preço chega a R$86,47. Ou seja, a economia para o seu bolso é de R$115,17. Compare o preço de Cabergolina e veja você mesmo.

 

Mais dados sobre a pesquisa do Procon – SP

A pesquisa incluiu 115 estabelecimentos em 15 cidades do estado de São Paulo, incluindo a capital.

 

O estudo foi separado em categorias de genéricos e de remédios de marca, os chamados medicamentos de referência. A caixa com 30 comprimidos do genérico Hidroclorotiazida, 25 mg foi encontrada em um dos estabelecimentos por R$ 4,01 e em outro por R$ 0,17, uma diferença de 2.258,82%, no município de Campinas.

 

No município de Mauá, foi registrado a maior diferença entre os medicamentos de marca. Por exemplo, o Aerolin (Sulfato de Salbutamol) – Glaxosmithkline, 2 mg/5 ml – Xarope 120 ml, era vendido por R$ 48,90 em um local e em outro por R$ 9,45, variação de 417%.

Também em Mauá, o Procon-SP constatou a maior diferença média entre preços de genéricos e medicamentos de referência, que ficou em 63%.

Os preços podem variar de acordo com as redes, os municípios e política de descontos. A distância, o frete e os custos de armazenagem também influenciam no valor cobrado.

O Procon-SP recomenda que o consumidor sempre consulte a tabela de Preço Máximo da Anvisa para saber se os preços cobrados estão abusivos. 

Produtos iguais, preços diferentes

Sabe-se que, entre os medicamentos genéricos e os de referência, pode haver uma grande disparidade de preços, que variam, em média, entre 35% e 60%. Mas entre os próprios genéricos, o consumidor também pode encontrar discrepâncias entre os valores ofertados pela indústria e praticados nas farmácias.

 

Segundo explica o presidente executivo da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), Antônio Britto, o mercado de medicamentos é regulado pelo Estado e a Lei 9.787, de 1999, determina, apenas, que o genérico deverá sempre ser 35% mais barato em comparação ao preço de lista do medicamento de referência. Exceto essa ressalva, o valor final oferecido nas farmácias pode variar e depende de diversas variáveis.

 

“Cada fabricante, distribuidor e ponto de venda (PDV) pode oferecer mais descontos com base em diversos fatores, como a relação entre oferta e demanda, as negociações da cadeia farmacêutica, a concorrência do medicamento e outros aspectos”, explica.

 

Entre os laboratórios, o preço pode variar de acordo com a especialidade de cada um deles, segundo mostra o diretor da divisão de genéricos da Merck, Eduardo Lima. “Nossa fábrica, no Rio de Janeiro, produz metformina para o Brasil, México e Europa, por exemplo. Então, nossa escala de compras é muito maior e, pelo volume, conseguimos um custo menor ao consumidor”, justifica.

 

Para o farmacêutico, professor, palestrante e consultor de empresas, Pedro Dias, a diferença de preços na indústria também pode estar atrelada a questões estratégicas no posicionamento dos produtos.

 

“Se a indústria (A) opta por comercializar produtos com Preço Fábrica (PF) menor, e a indústria (B) por PF maior, esta última pode ter escolhido posicionar seu produto como premium. Em tese, os produtos da indústria (B) possuem melhor posicionamento e esta percepção para o consumidor fica evidente”, exemplifica.

 

A mesma situação pode acontecer no dia a dia das drogarias. No Brasil, há diversos posicionamentos de lojas, desde as independentes, nos bairros, até aquelas grandes lojas conceitos, nos grandes centros.

 

“Estamos sujeitos a encontrar divergências de preços de um mesmo produto, do mesmo laboratório, em drogarias distintas. Portanto, acredito que as palavras ‘posicionamento’ e ‘preço’ caminham lado a lado”, acrescenta Dias.

Preço x qualidade

Seja qual for a estratégia da indústria ou do varejo, a competição entre os canais é bastante saudável para os usuários de medicamentos, segundo avalia o presidente da Prati-Donaduzzi, Eder Maffissoni. “Os laboratórios que produzem genéricos vivem, hoje, uma grande concorrência entre eles. E quem ganha com isso é o consumidor, que pode optar pelo preço mais barato”, diz.

 

A presidente executiva da Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (Pró Genéricos), Telma Salles, também vê essa variação de forma positiva. “O vigor do varejo frente às negociações com os fabricantes, associado a estratégias concorrenciais acirradas e provocadas pela demanda crescente dos genéricos, tem imposto um ritmo virtuoso ao mercado. Podemos concluir, assim, que os genéricos são um grande provocador e gerador de benefícios para o consumidor”, opina.

 

Mas é importante que, no PDV, o consumidor entenda que a diferença de preços entre os genéricos não está relacionada com a qualidade dos produtos. São apenas questões mercadológicas.

 

“Conforme determina a lei e sua subsequente regulação, os medicamentos genéricos estão submetidos ao rigor da regulação sanitária brasileira que é comparável às normas internacionais mais robustas. Os testes de qualidade realizados, lote a lote, pelas empresas fabricantes, garantem a eficácia pretendida. As regras de qualidade são iguais para todos os fabricantes e não há diferenças nas exigências que determinam o cumprimento das normas sanitárias”, garante Telma. 

 

Assim, os medicamentos, desde que sejam produzidos segundo exigências regulatórias, com alto nível de segurança e eficácia, são produtos considerados de qualidade, independentemente do preço praticado no mercado.

“A Sandoz, como divisão de genéricos e biossimilares da Novartis, acredita que a qualidade oferecida aos pacientes de forma acessível seja o maior valor de seus produtos”, reforça o diretor de marketing e Inteligência de Mercado da Sandoz, Guilherme Barsaglini.

Nova modalidade: descontos em parceria com planos de saúde

As grandes redes têm apostado em parcerias com diversos planos de saúde para aplicar descontos nos medicamentos ao consumidor. Para o farmacêutico, professor, palestrante e consultor de empresas, Pedro Dias, essa é uma estratégia que contribui para melhorar a experiência de compra dos usuários dos planos e também das drogarias.

 

“Uma vez que sou associado ao plano de saúde A e este plano tem uma parceria com a drogaria B, por meio desta parceria, eu, como consumidor, consigo preços diferenciados. Essa relação B2B (business to business − drogaria-plano de saúde) impacta, diretamente, na experiência de compra do usuário”, analisa, acrescentando que, além disso, essa relação traz um cliente com potencial latente para adquirir não só os medicamentos, como também outros artigos disponíveis no ponto de venda (PDV), colaborando para o aumento da performance dos resultados.

 

Somado a esse modelo de negócios, outras parcerias comerciais com indústrias e distribuidoras, por exemplo, são saudáveis e podem garantir um preço atrativo dos medicamentos genéricos para a população.

 

“Parcerias que acontecem entre PDVs e planos de saúde podem acabar despertando o início de novas relações entre farmácias e outras empresas”, prevê Dias. E seja qual for a forma escolhida pelo varejista para aplicar o desconto num produto, é fundamental, antes de tudo, entender o comportamento dos consumidores, a fim de identificar se o público-alvo do estabelecimento, de fato, busca por preço, pois nem sempre isto acontece.

 

“Entendendo o consumidor, podem ser criadas estratégias que impactam, diretamente, na experiência de compras e que tornam o preço um fator irrelevante”, finaliza o consultor.

 

Vantagens de pesquisar e comparar o preço antes de comprar medicamentos

Se você possui uma vida atarefada, provavelmente já percebeu o quanto as compras pela internet podem ser úteis em diferentes momentos. Comprar remédios online, por exemplo, é uma ótima saída para quem precisa adquirir medicamentos diversos sem sair de casa. Mas, apesar das vantagens, esse processo também necessita de alguns cuidados.

Os cuidados ao comprar remédios online

Antes de falar da compra online e suas vantagens, é preciso frisar alguns cuidados que devem existir para evitar problemas. A escolha por uma farmácia de confiança é o primeiro passo que pode ser dado com base em algumas informações, como:

 

  • A farmácia só tem permissão para vender medicamentos online caso possua loja física;
  • É obrigatório deixar um farmacêutico de prontidão para tirar dúvidas caso o cliente solicite;

 

No site devem constar endereço, formas de contato e CNPJ do estabelecimento, entre outras informações determinadas pela ANVISA.

 

Além disso, desconfie também caso o site venda remédios considerados controlados, que só podem ser comercializados nas lojas físicas, ou caso não exijam receita médica. 

 

Tomados esses cuidados é realizada a compra, verifique no momento da entrega, se não há nenhuma violação da embalagem ou se o medicamento está com aspecto normal, garantindo segurança na sua saúde.

 

Com o Cliquefarma, por exemplo,além de comparar preços de remédios, você tem a opção de ir para a drogaria.

 

O comparador de preços de medicamentos Cliquefarma foi o primeiro site a oferecer o serviço de forma gratuita, ajudando você a poupar dinheiro e tempo na pesquisa de produtos. Quantas vezes você já entrou na farmácia e saiu sem saber se está pagando o valor ideal?  

As vantagens de comprar remédios online

Uma vez escolhida a farmácia ou a plataforma de comparação de preços, nós sugerimos fortemente o Cliquefarma! Você poderá encontrar as seguintes vantagens na compra online:

1. Praticidade e comodidade

Nas compras online, em poucos minutos, seu pedido pode ser feito e seus medicamentos são entregues, com a possibilidade de tirar dúvidas ou ler previamente a bula do medicamento escolhido.

2. Obtenção de preços menores

A internet é conhecida por entregar preços menores que as lojas físicas, uma vez que não há despesas com o espaço físico. Isso permite que as farmácias online possam praticar valores mais vantajosos sem perder a qualidade.

3. Comparação de preços

Através de plataformas específicas, ou mesmo visitando diversos sites, é possível comparar os preços praticados e optar pela farmácia que mais condiz com seu orçamento. O tempo de entrega e descontos oferecidos também podem ser comparados, com o objetivo de determinar qual é o melhor site para compra.

 

Além de comparar preços de remédios, você também pode pesquisar por produtos cosméticos, perfumaria e higiene pessoal.  Pesquisar antes de comprar é essencial para quem se preocupa em economizar com a compra de remédios e para quem necessita de medicamentos especiais de custo elevado. Indique o CliqueFarma!

 

Importante lembrar que o Cliquefarma não é um comércio eletrônico e também não efetua as vendas, mas direciona você a comprar nas melhores farmácias e drogarias existentes no mercado.

E lembre-se: não se deve ingerir medicamentos sem acompanhamento e indicação médica.

 

4. Comparação de quantidade de produtos

Além de comparar preços, pode também verificar todas as versões de venda do medicamento, no que diz respeito à quantidade, para saber se sua compra será vantajosa. 

 

Comprar duas cartelas de comprimido, por exemplo, pode não apresentar tantas vantagens quanto comprar uma caixa fechada.

Tomando os cuidados certos e acessando o Cliquefarma, é possível comprar remédios online no conforto da sua casa, sem maiores preocupações, uma vez que todo o suporte que você precisa estará ao seu dispor. As compras online no Brasil já são uma forte realidade, com o setor de saúde e beleza ocupando o primeiro lugar em volume de vendas, segundo a Webshoppers.

Você costuma comprar seus medicamentos online ou pelo menos já fez uso do Cliquefarma para comparar preço de medicamentos a fim de economizar? Conte para a gente nos comentários abaixo sobre suas experiências!