Ácido Fólico

27/07/2020 1 Por cliquefarma

Hoje vamos falar do ácido fólico. Você já fez uso dessa vitamina? Analisemos para que ela serve, quais seus benefícios, como tomar e onde comprar. Acompanhe tudo para não perder!

São vários os laboratórios que disponibilizam essa vitamina, dentre eles, podemos citar o Afolic da Natulab, Afopic da Teuto, Befolik da Cimed, Combiron Fólico da Aché, DTN-Fol da Biolab, Endofolin da Marjan, Folacin da Ativus, Folantine da Sun Farmacêutica, Folipur da União Química, Folonin da Geolab, Hipofol da Hipolabor, Noripurum fólico da Takeda e Pratifolin da Prati Donaduzzi.

 

Ácido fólico também está devidamente registrado na ANVISA, na classe terapêutica de antianêmicos simples.

O que é ácido fólico?

 

Também conhecido como folato, metilfolato ou vitamina B9, o ácido fólico é uma vitamina do complexo B, solúvel em água e presente em diversos itens da dieta diária. O folato ocorre naturalmente nos alimentos e o ácido fólico é a forma sintética do folato, usada em medicamentos.

 

O folato é necessário para numerosas funções do corpo. Entre elas: a síntese e reparação do DNA, divisão e crescimento celular, produção de novas proteínas, formação de hemácias. O folato é importante para a saúde cardiovascular e do sistema nervoso.

Importância do ácido fólico na gravidez

Para gestantes, o folato é especialmente importante para um bom desenvolvimento fetal e formação do tubo neural. A suplementação deve começar pelo menos um mês antes da gravidez e é essencial nas primeiras oito semanas após a concepção. Isto porque é neste período que ocorre o desenvolvimento do sistema nervoso e tubo neural do feto.

 

Entre os motivos pelos quais se recomenda planejar a gravidez é a prevenção de malformações neurológicas com uma medida simples: a ingestão diária de 400 mcg de ácido fólico pelo menos um mês antes de engravidar. 

 

Inúmeros estudos mostram que essa vitamina do complexo B é fundamental para a formação do tubo neural do bebê, que dará origem ao cérebro e à medula espinhal. Tal estrutura deve se fechar sobre si mesma por volta do 28º dia de gestação, período em que muitas mulheres ainda não desconfiam que estão grávidas. Daí a importância da suplementação de ácido fólico desde antes da concepção. O suplemento deve, então, ser ingerido até o fim do primeiro trimestre, quando a maioria dos órgãos do bebê já estão formados.

 

Mas toda mulher que pretende engravidar ou está grávida deve tomar complexos vitamínicos com ácido fólico? De acordo com o nutrólogo Durval Ribas Filho, presidente da Associação Brasileira de Nutrologia, embora o nutriente seja encontrado em alimentos como carnes, verduras com folhas verde-escuras (espinafre, aspargo e brócolis), leguminosas (ervilhas, feijão e lentilha) e grãos integrais, é difícil quantificar o consumo diário. “Sendo assim, opta-se pela suplementação”, afirma. 

 

O ácido fólico também pode ser consumido por meio de alimentos enriquecidos – a fortificação de farinhas de trigo e de milho é determinada pela Anvisa desde 2002.

 

Para nós termos uma ideia, de acordo com a nutricionista Bruna Petrungaro, da Comer & Viver Assessoria Nutricional (SP), a fim de atingir a recomendação mínima em um dia, seria necessário consumir: 1 concha de leguminosas + 1 xícara (chá) de vegetais verde-escuros (couve manteiga, escarola, brócolis) + 1 xícara de suco laranja + 1 prato de sobremesa com salada variada no almoço e no jantar + 1 banana + ½ unidade de mamão papaia e 1 fatia de pão de forma integral.

 

A especialista alerta que a forma do preparo dos alimentos pode ocasionar perdas do nutriente. “O ideal é cozinhá-los com o mínimo de água possível, com a panela tampada. Ou, se possível, ligeiramente no vapor”, sugere. Atenção: alguns medicamentos (anticonvulsivos, por exemplo) interferem na absorção do nutriente. Por isso, se for o seu caso, converse com o obstetra.  

O que é tubo neural?

O tubo neural se converte no cérebro e na medula espinhal do bebê no primeiro mês de gestação, sendo este período o de maior risco para a formação de deficiências. Portanto, se possível, é recomendável aumentar a ingestão do ácido fólico antes da concepção.

 

Quando o processo é comprometido pela falta da vitamina, duas principais malformações podem acontecer: a anencefalia, que é uma malformação no cérebro, e a espinha bífida, que é quando a medula não se fecha completamente — e essas duas condições trazem graves sequelas ao bebê. Na anencefalia, acontece a não formação de todos os componentes do encéfalo, reduzindo a expectativa de vida do bebê para algumas horas ou dias apenas. Já a espinha bífida possui níveis diferentes de gravidade, pode ser tratada através de cirurgia nos casos mais leves, e nos casos mais graves podem existir danos neurológicos irreversíveis.

 

Além dos problemas citados acima, o ácido fólico também ajuda a evitar problemas cardíacos, do trato urinário e a ocorrência de lábio leporino, ajuda na formação da placenta e no DNA do bebê. Para a gestante, previne a ocorrência de pré-eclâmpsia, a hipertensão durante a gestação. Essa condição, se não tratada, pode ser muito perigosa para a mãe e o filho.

 

É bom lembrar que o ácido fólico não vai te ajudar a engravidar, apenas melhorar as condições de desenvolvimento do seu bebê e da evolução tranquila e segura da gravidez!

 

Se você está planejando uma gravidez, visite seu médico para que ele indique um suplemento de ácido fólico adequado. Se já estiver grávida, é importante tomar todos os dias as doses adequadas e recomendadas.

Quanto e quando devo tomar o suplemento?

O ideal é que ele comece a ser consumido até mesmo antes da gravidez. Como o processo de formação da espinha e cérebro se dá bem no início da gestação, o indicado é que mulheres em idade reprodutiva mantenham uma alimentação balanceada e com alimentos ricos em ácido fólico. Dessa forma, caso uma gravidez não planejada aconteça, fica mais fácil atingir a quantidade necessária dessa vitamina no corpo. Atualmente, todas as farinhas, cereais e grãos são fortificados com ácido fólico, o que já ajuda muito a evitar uma grande deficiência desse elemento no sangue.

 

A dose mínima diária indicada é de 0,4 mg. No entanto, os comprimidos encontrados nas farmácias possuem uma dosagem bem maior, de 2 mg e 5 mg. Não há problema em consumir uma grande quantidade de ácido fólico, pois como ele é hidrossolúvel, qualquer excesso que houver no sangue será eliminado através da urina.

 

Caso você tome algum medicamento regularmente, a absorção do ácido fólico pode ficar mais difícil, tendo que aumentar a dose do suplemento para que ele possa atingir a concentração necessária.

Para quem já planeja engravidar, o ideal é iniciar a suplementação ao menos 1 mês antes da gravidez e continuar tomando um comprimido por dia até o final do primeiro trimestre. Dessa forma, a chance de ocorrer alguma das alterações que mencionamos diminui até 70%.

 

Para mulheres que já engravidaram e o filho apresentou malformação do tubo neural, é preciso ter ainda mais cuidado, pois há maior risco de gerar outra criança com esse mesmo problema. A dose da suplementação deverá ser maior do que a tomada habitualmente — consulte seu médico para que tudo fique adequado ao seu organismo!

Quais os outros benefícios do ácido fólico?

Faz bem para a pele, unhas e cabelos

Todo o complexo B, incluindo o folato, tem papel importante na saúde da pele, unhas e cabelos. O folato ajuda no crescimento de unhas e cabelos, combate a acne e a dermatite, deixa a pele com um brilho saudável e com a oleosidade controlada.

 

Ao atuar na criação de células novas, o ácido fólico tem um papel fundamental na prevenção da queda de cabelo e no crescimento de novos fios. 

 

O consumo da vitamina B9, portanto, pode reverter e prevenir a calvície causada por fatores genéticos. Assim como as demais vitaminas do complexo B, o folato age diretamente no folículo capilar.

 

Dentre todas, ele é o nutriente mais estimulador do crescimento dos fios. Além disso, o folato tem outra função de grande importância: ele pode ser o responsável pelo transporte de melanina, tendo o poder de deixar os fios mais escuros, ajudando, assim, a diminuir o tão temido cabelo branco. 

 

Unhas quebradiças e com manchas brancas também podem ser um sinal da deficiência de ácido fólico. Ao ajudar no crescimento e diferenciação celular, essa vitamina é fundamental para quem deseja ter unhas fortes e bonitas. 

Fortalece a imunidade

Para que o sistema imunológico esteja fortalecido, uma série de fatores são necessários, entre eles as vitaminas do complexo B, inclusive o folato. O ácido fólico, presente na grande maioria dos vegetais verde-escuros, como a couve, os brócolis e o espinafre, ajuda na formação de novos glóbulos brancos, que atuam na defesa do organismo.

Aliado do cérebro

Além de ser essencial para o desenvolvimento do sistema nervoso do feto, o folato é fundamental para a função cerebral adequada e desempenha um papel importante na capacidade cognitiva e na saúde mental e emocional. Segundo estudos realizados pelo Institute for Functional Medicine, na Flórida, mais de 40% dos casos de depressão são causados pela falta de folato no organismo. Ele age como cofator na produção de serotonina, um neurotransmissor que garante o bom humor.

 

Os benefícios do ácido fólico para a nossa saúde cerebral são extraordinários. Este folato, também conhecido como vitamina B9, melhora, por exemplo, o tratamento com antidepressivos ao potencializar o efeito dos mesmos. Sabe-se que ele é essencial para a desintoxicação celular, para “fabricar” neurotransmissores e diminuir a velocidade da deterioração cognitiva. 

 

Estamos falando de um componente presente em um tipo de alimento que dispõe de determinados nutrientes essenciais para melhorar o humor, os recursos cognitivos e a saúde cerebral. Assim, quando falamos de ácido fólico, é comum pensar quase imediatamente em uma mulher grávida ou que deseje engravidar.

 

O cérebro precisa manter um nível adequado de ácido fólico. Os baixos níveis deste folato estão vinculados a uma presença mais elevada de homocisteína, que aumenta a inflamação cerebral e o risco de acidentes vasculares cerebrais.

É por isso que, a vitamina B9 é um recurso excepcional para otimizar muitos dos nossos processos cognitivos. E mais, assim como os estudos revelam, como o realizado em diversas universidades da Holanda, o ácido fólico pode nos permitir chegar a idades avançadas com uma melhor saúde cerebral.

 

Além disso, também podemos reduzir em um índice significativo a incidência de demências ou infartos cerebrais. Como vimos, é possível melhorar a nossa dieta para poder chegar à terceira idade com faculdades mentais mais ágeis e uma forte reserva cognitiva. 

 

Se no cérebro tudo é química, o ácido fólico é o mediador que torna possível uma série de processos, reações e ligações. Ter consciência disso pode ser de grande ajuda. 

O ácido fólico pode melhorar o nosso humor

Existem diversos estudos que demonstram como uma boa quantidade de ácido fólico pode melhorar nosso humor e elevar a nossa produção de serotonina. Os especialistas indicam que o melhor ácido fólico que podemos tomar é o metilfolato, já que sua meia vida é mais elevada em nosso organismo.

 

Por outro lado, sabe-se que muitas pessoas apresentam uma incapacidade genética para metabolizar de forma correta o ácido fólico. Por essa razão, sempre apresentam um certo déficit, doenças associadas e um maior risco na hora de desenvolver alguns transtornos de humor.

 

Seja como for, já existem muitos psiquiatras que recomendam tomar suplementos à base desta vitamina para otimizar os processos de recuperação e melhorar o bem-estar anímico.

Mais memória com ácido fólico e vitamina B12

De acordo com um estudo realizado por Janine Walker, pesquisadora da Universidade Nacional da Austrália, as pessoas que têm uma boa manutenção de ácido fólico e vitamina B12 por três ou mais anos chegam a idades avançadas em melhor estado. Nestas pessoas, a incidência de Alzheimer diminui, a memória se mantém ágil, a reserva cognitiva é preservada, e é possível ter uma velhice mais ativa.

 

Tudo isso nos dá ânimo para seguir o conselho dos especialistas. A partir dos 60 anos de idade, devemos aumentar o consumo deste tipo de nutriente. Fazer isso não custa nada e os resultados podem ser notados facilmente.

Beneficia a saúde do coração

O folato se combina com as vitaminas B6 e B12 formando uma coenzima que reduz os níveis de homocisteína, um aminoácido que em excesso afeta o aparelho cardiovascular (sistema circulatório e coração) de forma negativa, impedindo a reparação celular (um processo conhecido por metilação). Altos níveis de homocisteína contribuem para o endurecimento dos vasos sanguíneos, o que eleva a pressão arterial.

Alimentos fontes de ácido fólico

Os alimentos ricos em folato são todas as folhas verdes escuras, com ênfase para espinafre, brócolis, couve, alface e salsa. Os cereais integrais, feijões, cogumelos, vísceras (fígado de galinha), abacate, manga, laranja, tomate, melão, banana, ovo, levedo de cerveja e germe de trigo também possuem boas quantidades do nutriente. Portanto, os alimentos ricos em folato são bem variados.

 

Todos eles devem fazer parte da dieta diária. Folhas verdes, frutas, leguminosas (feijões, lentilha, ervilha, grão de bico), ovo, carne e vísceras. Não é difícil conseguir um bom aporte da vitamina se o cardápio incluir estes alimentos.

Quais alimentos possuem ácido fólico?

São vários os alimentos ricos nesta vitamina que podem fazer parte do seu cardápio diário. Olhe só:

 

  • Fígado de boi;
  • Fígado de galinha;
  • Feijões e lentilha;
  • Ervilha;
  • Frutas cítricas;
  • Tomate;
  • Espinafre e brócolis.

 

É ideal manter uma dieta saudável que inclua pelo menos alguns desses alimentos, mesmo se você não estiver planejando engravidar. No entanto, gestantes devem fazer uso de suplementação mesmo se alimentando bem para garantir que terão uma boa quantidade do ácido fólico no corpo. Curiosamente, a versão da vitamina produzida em laboratório é mais bem absorvida pelo organismo do que a naturalmente presente nos alimentos.

Estudos sobre outros benefícios do ácido fólico

Previne o câncer: Suplementos deste nutriente podem prevenir a progressão do câncer, segundo estudo publicado na revista científica Cancer da Sociedade Americana de Câncer. 

 

O estudo forneceu dados para apoiar a hipótese de que a insuficiência de ácido fólico é um fator de risco para a ocorrência do câncer. O folato é incorporado a coenzimas que são essenciais para uma variedade de reações no metabolismo de ácidos nucleicos e aminoácidos, tais como a síntese e reparação de DNA (o que evita a formação de células defeituosas que poderiam se transformar em uma célula maligna) e a conversão de homocisteína em metionina, seu excesso está ligado a problemas de saúde crônicos, tais como câncer e doenças cardiovasculares.

Deficiência de ácido fólico

Na maior parte das vezes a deficiência de folato é assintomática. Em casos graves pode haver fadiga, falta de ar após esforço leve, dor de cabeça e feridas na boca. O diagnóstico é feito pela dosagem de ácido fólico no sangue.

 

Uma deficiência de folato pode levar a anemia em adultos e desenvolvimento mais lento em crianças. No caso das gestantes, a ausência desta vitamina pode fazer com que o feto tenha malformações neurológicas.

 

A deficiência de folato pode ocorrer por nutrição inadequada ou aumento da demanda, incluindo:

 

  • Dieta deficiente: inclui dieta pobre em vitaminas, regimes da moda, cozinhar demais os alimentos e anorexia
  • Inibidores da absorção do folato (como anticonvulsivantes).
  • Malabsorção intestinal: inclui doença celíaca, espru tropical, malabsorção congênita específica, ressecção jejunal, doença inflamatória intestinal e alcoolismo.
  • Mutação SLC46A1, gene que codifica o transportador do folato.
  • Aumento da demanda por ácido fólico:
  • Câncer: inclui leucemia, carcinoma e linfoma.
  • Doenças do sangue: inclui anemias hemolíticas, anemia falciforme, talassemia major, mielosclerose crónica).
  • Doenças inflamatórias: por exemplo, doença de Crohn, malária, enterite crônica.
  • Metabólico: por exemplo, homocistinúria.
  • Hemodiálise ou diálise peritoneal.

Fatores de risco

É mais comum entre idosos, alcoolismo, tabagismo, situações socioeconômicas precárias e pacientes com problemas hepáticos. Sua absorção é inibida por medicamentos como: Fenitoína, Trimetoprim-sulfametoxazol, Metotrexato e Sulfasalazina.

Sinais e sintomas de deficiência de ácido fólico

Os sintomas da deficiência de folato começam sutis e incluem:

  • Fadiga
  • Cabelos brancos
  • Aftas
  • Inchaço da língua
  • Retardo no crescimento

 

Sintomas avançados incluem:

  • Anemia megaloblástica, e seus respectivos sintomas (pele pálida, fraqueza, cansaço…).
  • Sintomas neurológicos como parestesia, dormência, irritabilidade, depressão, alterações cognitivas e distúrbios visuais.
  • Em fetos aumenta o risco de malformação do tubo neural e de transtornos do espectro autista

Interações do ácido fólico

O álcool interfere na absorção de folato e também aumenta a quantidade da vitamina que é eliminada pela urina. Por isso, muitos alcoólatras podem ter deficiência de ácido fólico. Além disso, é frequente os alcoólatras terem dietas pobres e não alcançarem a ingestão diária recomendada de folato.

 

Se houver uma ingestão exagerada por um longo período isto pode resultar em uma deficiência de vitamina B12, o que pode causar danos ao sistema nervoso e anemia por deficiência de vitamina B12.

Combinações com o ácido fólico

Devido aos problemas mencionados acima sobre a deficiência de vitamina B12, o ideal é sempre associar o ácido fólico com uma fórmula completa contendo todos os elementos do complexo B para não causar um desequilíbrio entre eles, B1, B2, B3, B5, B6, B12, biotina, ácido pantotênico, colina, inositol, todos que compõe o complexo B.

Quantidade recomendada de ácido fólico

Idade/Momento de vida Quantidades
0 – 6 meses 65 microgramas/ dia
7- 12 meses 80 microgramas/ dia
1 a 3 anos 150 microgramas/ dia
4 a 8 anos 200 microgramas/ dia
9 a 13 anos 300 microgramas/ dia
14 anos em diante 400 microgramas/ dia
Gestantes 600 microgramas/ dia
Lactantes 500 microgramas/ dia

Fonte: Institute of Medicine of the National Academies

Uso do suplemento de ácido fólico

Existem alguns momentos da vida e condições de saúde em que a suplementação com o ácido fólico é orientada. São eles: gravidez, lactação, anemia por deficiência de folato, excesso de homocisteína e sempre que houver deficiência medida no exame de sangue – estas são as indicações principais.

 

Como mencionamos acima, deficiências têm sido observadas em alcoólatras, em mais de 50 % dos casos. O álcool interfere com a absorção de folato e também aumenta a quantidade da vitamina que é eliminada pela urina. Além disso, muitos alcoólatras têm dietas pobres e não alcançam a ingestão diária recomendada de folato.

 

Vitaminas, como o suplemento de ácido fólico, não apresentam efeitos colaterais tão intensos como medicamentos alopáticos. Muito mais perigoso é tomar um analgésico ou um anti-inflamatório. Se houver uma ingestão exagerada de ácido fólico por um longo período isto pode resultar em uma deficiência de vitamina B12, o que pode causar danos ao sistema nervoso e anemia por deficiência de B12.

 

O ideal é sempre associar o folato com uma fórmula completa contendo todos os elementos do complexo B para não causar um desequilíbrio entre eles (B1, B2, B3, B5, B6, B12, biotina, ácido pantotênico, colina, inositol, todos eles fazem parte do complexo B.

Riscos do consumo em excesso de ácido fólico

Folato é uma vitamina solúvel em água e isso facilita a sua regulação pelo corpo: qualquer excesso será eliminado naturalmente através da urina. Assim a overdose não ocorre com a alimentação, mas pode ocorrer a partir de suplementos – ingerir uma dose excessiva de ácido fólico pode resultar em problemas digestivos, dor de estômago, náusea e reações cutâneas tipo urticária. Também pode ocorrer a deficiência de vitamina B12 e consequentemente uma anemia. A quantidade acima de 5000 microgramas por dia é considerada perigosa.

Onde comprar?

Você pode adquirir ácido fólico em qualquer farmácia ou drogaria da sua região. Acesse agora mesmo o Cliquefarma e encontre as melhores opções de preço do suplemento e condições de entrega para comprar sem nem precisar sair de casa! Confira só!

 

Já utilizou ácido fólico? Conte pra gente aqui nos comentários sua experiência com ele!