Soro fisiológico – O que é, quais as indicações e onde comprar

21/02/2020 0 Por Alana Dizioli

O soro fisiológico, é também conhecido como solução salina ou solução fisiológica de cloreto de sódio a 0,9%. Ele está devidamente registrado na ANVISA, na classe terapêutica de medicamentos reidratantes parenterais e o artigo de hoje irá explanar quais as outras indicações para ele, como usar e onde comprar. Confira já!

Indicações de soro fisiológico

O soro fisiológico pode ser usado em várias situações:

Desidratação

Desidratação é uma doença potencialmente grave que se caracteriza pela baixa concentração não só de água, mas também de sais minerais e líquidos orgânicos no corpo, a ponto de impedir que ele realize suas funções normais.  Ela pode ser secundária, derivada de diarreias agudas e afetar pessoas de todas as idades, mas é mais perigosa para as crianças (especialmente recém-nascidos e lactentes) e para os idosos.

 

Por via parenteral, o soro fisiológico é indicado na reposição de líquido e eletrólitos, auxiliando na melhora de sintomas e/ou causas associados à desidratação, tais como vômitos, diarréia, aspiração gástrica, fístula digestiva, transpiração em excesso, grandes queimaduras ou quadros hemorrágicos.

Veículo de medicamentos

Em algumas situações, o soro fisiológico também pode ser usado como veículo de medicamentos, para posteriormente poderem ser administrados diretamente na veia.

Limpeza dos olhos

Os olhos são responsáveis por repassar para o cérebro cerca de 80% das informações que recebemos, transformando a luz emitida pelos objetos em uma imagem nítida na retina. Por isso é importante o acompanhamento oftalmológico para evitar alergias e infecções nos olhos.

 

Pode-se utilizar o soro fisiológico para realizar a limpeza dos olhos ou lentes de contato eventualmente, mas oftalmologistas recomendam que você opte pelo produto em versão flaconete, que é pequena e pode ser descartada após o uso, afinal, depois de aberto, o frasco de soro pode-se contaminar automaticamente e trazer algum tipo de infecção para os olhos que são extremamente sensíveis a fatores externos.

 

Limpeza dos seios nasais

Uma boa dica de como desentupir o nariz em casa mesmo, consiste em fazer uma lavagem nasal com soro fisiológico a 0,9% com a ajuda de uma seringa sem agulha, porque através da força da gravidade, a água entra por uma narina e sai pela outra, sem causar dor ou desconforto, eliminando o máximo de catarro e qualquer outra sujeira.

 

Essa técnica de lavagem nasal é excelente para eliminar as secreções das vias aéreas superiores, mas também é uma boa forma de manter o nariz devidamente limpo, sendo útil para quem tem alguma alergia respiratória, rinite ou sinusite, por exemplo.

 

Recomenda-se realizar essa limpeza de 3 a 4 vezes em cada narina, dependendo da necessidade. Além disso, pode-se encher a seringa com mais quantidade de soro fisiológico, já que será eliminado pela outra narina. Para finalizar a lavagem nasal, deve- se assoar o nariz após o procedimento, para retirar o máximo de secreção possível. Se a pessoa encontrar alguma dificuldade em realizar esse procedimento de pé, pode tentar fazê-lo deitado.

 

Em alternativa ao uso da seringa e do soro fisiológico, a lavagem nasal pode ser realizada com um pequeno dispositivo desenvolvido apenas para essa finalidade, que pode ser comprado em farmácias ou pela internet.

 

Limpeza de queimaduras ou feridas na pele

O tratamento de feridas é muito delicado e composto por diversas etapas, sendo uma das mais importantes a limpeza da região lesionada.

 

Você sabia que não é aconselhável, por exemplo, limpar a região lesionada com sabão comum ou água oxigenada? A técnica ideal de limpeza é a que dá suporte para o processo cicatricial, respeitando o tecido de granulação e minimizando o risco de traumas e infecções. Para isso, alguns passos são importantes e precisam ser seguidos.

 

Calce as luvas e retire o curativo anterior com cuidado. Se durante a remoção o curativo estiver aderido à ferida (grudado), aplique o soro fisiológico em jatos, removendo-o com delicadeza e, assim, evitando traumas e retrocessos no processo cicatricial. Despreze o curativo retirado juntamente com as luvas. Calce novas luvas.

 

Lave a lesão com soro fisiológico 0,9% morno ou em temperatura ambiente aplicando-o em jatos. Faça também a limpeza manual da pele ao redor da ferida com gaze umedecida com soro fisiológico. Não seque o leito da ferida. Aplique o curativo desejado, conforme as instruções do fabricante e, logo após, faça o curativo secundário, com gaze e atadura de crepe (faixa), fixando-o com fita microporosa adesiva.

 

Nebulização

Já sabemos que a nebulização é um ótimo tratamento caseiro para a sinusite, por exemplo, seja do tipo aguda ou crônica, seca ou com secreção, pois ajuda a umidificar as vias aéreas e a fluidificar as secreções, desobstruindo as vias respiratórias e facilitando a respiração.

 

Idealmente, a nebulização deve ser feita de 2 a 3 vezes ao dia, por, aproximadamente, 15 a 20 minutos e, de preferência, pela manhã e antes de dormir.

 

A nebulização com soro fisiológico é um ótimo auxiliar no tratamento da sinusite, afinal, além de facilitar a respiração, pode servir para a administração de medicamentos inalatórios prescritos pelo médico.

 

Para fazer a nebulização em casa, deve-se colocar no copinho do nebulizador cerca de 5 a 10 mL de soro fisiológico, posicionar a máscara próxima ao nariz e, então, respirar aquele ar. Não se esqueça de manter os olhos fechados e estar sentado ou recostado em uma cama confortavelmente. Pode-se fazer esta nebulização por 20 minutos ou até o soro acabar. Não recomenda-se fazer a nebulização deitado, pelo risco de aspiração das secreções. 

 

Apresentação 

Solução injetável, límpida, estéril e apirogênica. 

 

Apresentações: Frascos, ampolas e bolsas de 100 ml, 200 ml, 250 ml e 500 ml.

 

USO INTRAVENOSO E INDIVIDUALIZADO 

 

USO ADULTO E PEDIÁTRICO 

Composição 

Cada mL da solução contém: 

Cloreto de sódio- NaCl ………………………………………………………………… 9 mg Água para injeção q.s.p. ………………………………………………………………. 1 mL Conteúdo eletrolítico Sódio (Na+ ) ………………………………………………………………………………… 154 mEq/L Cloreto (Cl- ) ……………………………………………………………………………….. 154 mEq/L OSMOLARIDADE: ……………………………………………………………………… 308 mOsm/L pH …………………………………………………………………………………………….. 4,5 – 7,0 

Como o soro fisiológico funciona?

O sódio é o principal cátion e o cloreto o principal ânion do fluido extracelular. Estes íons são importantes para diversos processos fisiológicos, entre eles o funcionamento adequado do sistema nervoso central, do coração e dos rins.  

 

Os íons de sódio circulam através da membrana celular por meio de vários mecanismos de transporte, dentre eles a bomba de sódio (Na-K-ATPase). O sódio também desempenha importante papel na neurotransmissão, na eletrofisiologia cardíaca e no metabolismo renal.

 

O excesso de sódio é excretado principalmente pelo rim, pequenas porções pelas fezes e através de sudorese. O cloreto de sódio é fundamental para manter o equilíbrio sódio-potássio e contribuir para a recuperação da manutenção da volemia.

Soro fisiológico possui contraindicações? 

A solução de cloreto de sódio 0,9% é contraindicada nos casos de hipernatremia(alta concentração de sódio no sangue), retenção de água e hipercloremia(alta concentração de cloro no sangue). 

Quais as precauções e advertências que devo me atentar antes de utilizá-lo? 

 

A solução injetável de cloreto de sódio 0,9% deve ser usada com cautela em pacientes com pressão alta, com insuficiência cardíaca congestiva e pré-eclâmpsia, insuficiência renal grave (problemas de rins), edema pulmonar e obstrução do trato urinário. 

 

Avaliações clínicas e determinações laboratoriais periódicas são necessárias para monitorar mudanças no balanço de fluido, concentrações eletrolíticas e balanço ácido-base durante a terapia parenteral prolongada, ou sempre que a condição do paciente demonstrar necessidade de tais avaliações. 

 

Devem ser tomados cuidados na administração de solução injetável de cloreto de sódio em pacientes recebendo corticosteroides, corticotropina ou medicamentos que possam causar retenção de sódio. 

 

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião dentista. 

 

Uso em crianças, idosos e em outros grupos de risco 

 

No caso da administração de soluções parenterais de grande volume em pacientes idosos, pode ser necessário reduzir o volume e a velocidade de infusão, para evitar a sobrecarga circulatória, especialmente em pacientes com insuficiência cardíaca e renal (problemas de coração e nos rins). 

 

Interações medicamentosas 

Devem ser avaliadas as características da compatibilidade dos outros medicamentos que serão diluídos ou dissolvidos no soro fisiológico de cloreto de sódio 0,9%. Há incompatibilidade desta solução com anfotericina B, ocorrendo precipitação desta substância e com o glucagon. 

 

Consultar um farmacêutico sempre que necessário. 

 

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. 

 

Lembrando sempre para você, caro leitor, não usar medicamento sem o conhecimento do médico. Pode ser perigoso para a saúde. 

 

Instruções de armazenamento, data de validade e características de soro fisiológico

 

O produto deve ser armazenado em temperatura ambiente (15ºC a 30ºC). 

 

Prazo de validade: vide embalagem. 

 

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. 

 

Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original. Devem ser avaliadas as características da compatibilidade dos outros medicamentos que serão diluídos ou solubilizados no soro fisiológico

 

Há incompatibilidade desta solução com anfotericina B, ocorrendo precipitação desta substância e com o glucagon. Após preparo, a solução fisiológica deve ser utilizada imediatamente. Não devem ser armazenadas soluções parenterais adicionadas de medicamentos. 

 

Aspecto: solução injetável, límpida, estéril e apirogênica. 

 

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo. 

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças. 

 

Instruções de modo de uso e posologia

A solução somente deve ter uso intravenoso e individualizado. A dosagem deve ser determinada por um médico e é dependente da idade, do peso, das condições clínicas do paciente, do medicamento diluído em solução e das determinações em laboratório. Antes de serem administradas, as soluções parenterais devem ser inspecionadas visualmente para se observar a presença de partículas, turvação na solução, fissuras e quaisquer violações na embalagem primária. 

Apenas para Soluções Parenterais de Grande Volume 

A solução é acondicionada em bolsas, frascos e/ou ampolas em SISTEMA FECHADO para administração intravenosa usando equipo estéril. Atenção: não usar embalagens primárias em conexões em série. Tal procedimento pode causar embolia gasosa devido ao ar residual aspirado da primeira embalagem antes que a administração de fluido da segunda embalagem seja completada. 

 

NÃO PERFURAR A EMBALAGEM, POIS HÁ COMPROMETIMENTO DA ESTERILIDADE DO PRODUTO E RISCO DE CONTAMINAÇÃO. 

 

Para abrir: No caso das embalagens que possuem invólucro protetor: As empresas deverão descrever as informações necessárias para a correta abertura ou retirada do invólucro protetor sem risco de contaminação do produto. Verificar se existem vazamentos mínimos comprimindo a embalagem primária com firmeza. 

 

Se for observado vazamento de solução, descartar a embalagem, pois a sua esterilidade pode estar comprometida. Se for necessária medicação suplementar, seguir as instruções descritas a seguir antes de preparar a solução para administração. 

 

No preparo e administração das Soluções Parenterais (SP), devem ser seguidas as recomendações da Comissão de Controle de Infecção em Serviços de Saúde quanto a: 

 

– desinfecção do ambiente e de superfícies, higienização das mãos, uso de EPIs e – desinfecção de ampolas, frascos, pontos de adição dos medicamentos e conexões das linhas de infusão. 

 

1- Remover o protetor de plástico do tubo de saída da solução no fundo da embalagem, quando presente; 

2- Fazer a assepsia da embalagem primária utilizando álcool 70%; 

3- Suspender a embalagem pela alça de sustentação; 

4- Conectar o equipo de infusão da solução.

5- Administrar a solução, por gotejamento contínuo, conforme prescrição médica. Para adição de medicamentos: Atenção: verificar se há incompatibilidade entre o medicamento e a solução e, quando for o caso, se há incompatibilidade entre os medicamentos. Apenas as embalagens que possuem dois compartimentos, um para o equipo e outro para a administração de medicamentos, poderão permitir a adição de medicamentos nas soluções parenterais. 

 

Para administração de medicamentos antes da administração da solução parenteral: 

 

1- Preparar o lugar de injeção fazendo sua assepsia; 

2- Utilizar uma seringa com agulha estéril para perfurar o compartimento próprio para administração de medicamentos e injetar o medicamento na solução parenteral. 

3- Misturar o medicamento completamente na solução parenteral. 

4- Pós liofilizados devem ser reconstituídos/suspendidos no diluente estéril e apirogênico adequado antes de ser adicionados à solução parenteral. 

 

Para administração de medicamentos durante a administração da solução parenteral: 

 

1- Fechar a pinça do equipo de infusão; 

2- Preparar o sítio próprio para administração de medicamentos, fazendo sua assepsia; 

3- Utilizar seringa com agulha estéril para perfurar o compartimento e adicionar o medicamento na solução parenteral; 

4- Misturar o medicamento completamente na solução parenteral; 

5- Prosseguir a administração. 

Posologia 

O preparo e administração da Solução Parenteral devem obedecer à prescrição, precedida de criteriosa avaliação, pelo farmacêutico, da compatibilidade físico-química e da interação medicamentosa que possam ocorrer entre os seus componentes. 

 

A dosagem deve ser adaptada de acordo com as necessidades de líquidos e eletrólitos de cada paciente. 

 

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico

 

Além de poder ser utilizado para realizar nebulizações, tratar feridas, lavar lentes de contato ou promover a reidratação da pessoa, o soro fisiológico é ótimo para o rosto, pois é melhor absorvido pela pele e promove a eliminação de impurezas, deixando a pele do rosto mais macia e hidratada.

 

O ideal é que o soro seja aplicado no rosto logo após o banho realizando leves batidinhas com auxílio de um algodão e depois deixar que o soro fisiológico seja naturalmente absorvido pela pele, evitando passar uma toalha, por exemplo.

 

É verdade também que o soro fisiológico no rosto ajuda a eliminar o cloro presente na água do chuveiro e da torneira, além de ser melhor absorvido pela pele. Dessa forma, o soro fisiológico no rosto pode ser usado para:

 

  • Melhorar a aparência e consistência da pele, deixando-a mais hidratada e saudável;
  • Diminuir as olheiras que aparecem após noites mal dormidas;
  • Prolongar a duração da maquiagem, já que provoca o fechamento dos poros;
  • Diminuir a oleosidade da pele;
  • Promover uma limpeza mais profunda da pele.

 

O soro fisiológico é uma solução composta por sais minerais que não alteram o pH da pele e que possui vários benefícios além da hidratação da pele. Após aberto, é recomendado que seja utilizado num período de 15 dias para que não perca todos os seus compostos e que ainda tenha benefícios. 

O que fazer quando eu me esquecer de usá-lo?

A utilização do soro fisiológico em maneira parental ocorrerá em ambiente hospitalar, orientada e executada por profissionais especializados e não dependerá da conduta do paciente. 

 

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista. 

 

Soro fisiológico possui efeitos colaterais?

Caso o soro fisiológico não seja utilizado de forma correta, pode ocorrer febre, infecção no ponto de injeção, trombose venosa ou flebite (inflamação) no local de injeção, extravasamento e hipervolemia (sobrecarga de líquido). 

 

As reações adversas gerais incluem náuseas, vômito, diarreia, cólicas abdominais, redução das lágrimas, taquicardia, pressão alta, falência renal e edema pulmonar. Em pacientes com ingestão inadequada de água, o excesso de sódio no sangue pode causar sintomas respiratórios como edema pulmonar, embolia ou pneumonia. 

 

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento. 

 

O que fazer em caso de superdose?

 

 A infusão de grandes volumes pode ocasionar sobrecarga hídrica (hiper-hidratação) e alteração no balanço eletrolítico (aumento no teor de sódio e cloro no sangue, hiperosmolaridade e efeitos acidificantes). Nestes casos, instalar uma terapia de apoio e interromper a administração da solução parenteral, podendo haver a necessidade da administração de diuréticos e/ou diálise, caso haja comprometimento renal significativo. Em pacientes com aumento moderado nos níveis de sódio, ofertar água via oral e restringir a ingestão de sódio. 

 

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações. 

Onde comprar?

O buscador e comparador de preços de medicamentos Cliquefarma aparece como uma ferramenta útil para você comprar qualquer apresentação de soro fisiológico de maneira rápida e simples. Com apenas um clique, você consegue pesquisar seu medicamento em farmácias e drogarias da sua região e verificar qual o melhor preço e condição de entrega que se encaixa em suas preferências. 

 

Faça uma busca agora mesmo! Comente conosco sua experiência fazendo uso de soro fisiológico nas diversas indicações que ele possui aqui no quadro de comentários. Sua opinião é importante para nós!