Ciclopirox Olamina

22/05/2020 0 Por Alana Dizioli

Falemos sobre o medicamento Ciclopirox Olamina. Um agente antifúngico sintético para tratamento dermatológico tópico de micoses superficiais.

Fabricado e disponibilizado por vários laboratórios, tanto como medicamentos referência como genéricos, dentre eles, podemos mencionar os nomes comerciais e seus respectivos laboratórios: Celamina (creme e solução) da Glenmark, Fungirox da UCI Farma, Micolamina da Theraskin e Mupirox da EMS.

 

Ciclopirox Olamina também está devidamente registrado na ANVISA, na classe terapêutica de anti-micóticos para uso tópico.

 

Apresentação de Ciclopirox Olamina

Solução

Uso Tópico.

 

Uso Adulto e Pediátrico Acima de 6 anos.

 

Solução tópica de 10 mg/mL: frasco com 15 mL.

Creme

Uso Tópico.

 

Uso Adulto e Pediátrico Acima de 6 anos.

 

Creme dermatológico de 10 mg/g: embalagem com 20 g.

Composição

Cada mL da solução tópica contém:

ciclopirox olamina …………………………………………………………………………………………….. 10 mg

veículo q.s.p. …………………………………………………………………………………………………….. 1 mL

(álcool isopropílico, glicerol, metilparabeno, polissorbato 80, propilparabeno, água purificada).

Para que serve Ciclopirox Olamina?

Este medicamento é destinado ao tratamento de micose tópica (infecções na pele causadas por fungos). A ciclopirox olamina é um produto antimicótico com especificidade de ação comprovada contra tinea pedis, tinea corporis, tinea cruris, tinea versicolor, candidíase cutânea e dermatite seborreica.

O que podemos esperar do mecanismo de ação de Ciclopirox Olamina?

A ciclopirox olamina é um fungicida (substância que destrói o fungo) de amplo espectro para uso tópico, com alto poder de penetração. É altamente eficaz praticamente contra todos os agentes patogênicos causadores de micoses superficiais da pele.

 

Tempo médio de início de ação: 6 horas

Resultados de Eficácia

Solução Tópica / Creme

Em ensaios clínicos separados, multicêntricos, randomizados, duplo-cegos, ciclopirox olamina creme a 1% foi comparado com seu veículo creme e com clotrimazol creme a 1% no tratamento para tinea corporis e tinea cruris. Nos dois estudos, o uso de ciclopirox olamina creme resultou numa melhora demonstrável após a primeira semana de tratamento e numa resposta completa clínica e micológica em dois terços dos pacientes ao final do período de tratamento.

 

Estatisticamente, os resultados de ciclopirox olamina creme foram significativamente superiores em comparação com o veículo creme e equivalente ao clotrimazol creme. Todos os tratamentos foram bem tolerados. (Bogaert H, et al. 1986).

 

Um estudo prospectivo, multicêntrico, randomizado, duplo-cego, foi conduzido em 189 pacientes com diagnóstico clínico de dermatite seborreica. Cada paciente utilizava ciclopirox olamina 1% creme ou seu veículo correspondente, duas vezes ao dia, por 29 dias, nas áreas afetadas e nas áreas circunvizinhas. A taxa de sucesso de tratamento foi significativamente maior com ciclopirox olamina em comparação com o veículo (73,9 vs 53,6%; p=0,003).

 

O tratamento com ciclopirox olamina reduziu a soma da pontuação dos sinais clínicos de dermatite seborreica numa extensão maior que o veículo (p≤ 0,001). Este estudo confirma que o tratamento tópico com ciclopirox olamina é efetivo e bem tolerado nos pacientes com dermatite seborreica. (Unholzer A, et al. 2002).

Exclusivo Solução Tópica

Estudos foram conduzidos para acessar a bioequivalência da nova formulação, ciclopirox olamina loção a 1%, com o composto estabelecido. O ciclopirox olamina creme a 1% in vitro e in vivo. Um ensaio clínico duplo-cego, multicêntrico foi realizado comparando ciclopirox olamina loção a 1% com o veículo isolado no tratamento de pacientes com tinea pedis. Os pacientes foram tratados por 28 dias.

 

Ciclopirox olamina loção a 1% demonstrou ser significativamente mais efetivo em comparação ao veículo no tratamento de pacientes com tinea pedis comum (p≤ 0,001). Foram relatados eventos adversos de pequeno porte localizados (prurido, sensação de queimação) em 2% dos 89 pacientes. Estes resultados demonstraram a bioequivalência de ciclopirox olamina a 1% loção e ciclopirox olamina a 1% creme e confirma a eficácia clínica e segurança da loção no tratamento da tinea pedis.

 

O autor conclui que ciclopirox loção pode ser usada como alternativa à ciclopirox olamina a 1% creme no tratamento da tinea pedis, tinea versicolor, tinea cruris, tinea corporis e candidíase cutânea quando a conveniência e/ou elegância cosmética da loção forem desejadas. (Aly R, et al. 1989).

Características Farmacológicas

Ciclopirox Olamina é um fungicida de amplo espectro para uso tópico, com alto poder de penetração. É altamente eficaz praticamente contra todos os agentes patogênicos causadores de micoses cutâneas superficiais.

 

Possui atividade fungicida in vitro contra Trichophyton rubrum, Trichophyton mentagrophytes, Epidermophyton floccosum, Microsporum canis e Candida albicans.

Quais as contraindicações e riscos de Ciclopirox Olamina?

A ciclopirox olamina não deve ser aplicada na região dos olhos e não deve ser utilizada em casos de alergia conhecida ao ciclopirox ou a qualquer componente da fórmula.

Quais as precauções e advertências a que devo me atentar antes de usá-lo?

As medidas adicionais de higiene recomendadas pelo médico devem ser cuidadosamente seguidas.

 

Populações especiais

Pacientes idosos

Não há advertências e recomendações especiais sobre o uso adequado desse medicamento por pacientes idosos.

 

Crianças

O uso em crianças abaixo de 6 anos deve ser restrito a indicações absolutamente necessárias e a critério médico.

Interações medicamentosas de Ciclopirox Olamina

Não há relato até o momento.

Uso de Ciclopirox olamina na gravidez e amamentação

Informe ao seu médico caso ocorra gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao médico se está amamentando. O uso de ciclopirox olamina durante a gravidez deve ser feito sob estrita indicação médica.

 

A aplicação de ciclopirox olamina só deverá ser considerada durante a gravidez ou amamentação se absolutamente essencial.

 

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

 

Informe ao seu médico se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

 

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Instruções de armazenamento, data de fabricação, prazo de validade e aspecto físico de Ciclopirox Olamina

Este medicamento deve ser mantido em temperatura ambiente (entre 15 e 30 ºC).

 

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

 

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Este medicamento se apresenta na forma de solução límpida incolor.

 

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Instruções de posologia, dosagem e modo de uso de Ciclopirox Olamina

Solução

A ciclopirox olamina solução tópica deve ser aplicada 2 vezes ao dia sobre a região da pele afetada friccionando suavemente. O tratamento deve prosseguir até o desaparecimento dos sintomas (usualmente 2 semanas) e para prevenir uma recorrência, recomenda-se a aplicação por 1 ou 2 semanas adicionais após o desaparecimento dos sintomas.

 

Informe seu médico se não houver melhora após 4 semanas.

 

As medidas higiênicas complementares recomendadas pelo médico devem ser rigorosamente observadas.

 

Não há estudos dos efeitos de ciclopirox olamina administrada por vias não recomendadas. Portanto, por segurança e para garantir a eficácia deste medicamento, a administração deve ser somente por via tópica, conforme recomendado pelo médico.

 

Siga a orientação de seu médico respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento de seu médico.

Creme

A ciclopirox olamina creme dermatológico deve ser aplicada 2 vezes ao dia sobre a região da pele afetada friccionando suavemente. É recomendado que o tratamento prossiga até o desaparecimento dos sintomas (usualmente 2 semanas). Para evitar recorrência, você deve continuar o tratamento por mais 1 a 2 semanas.

 

A ciclopirox olamina deve ser aplicada apenas localmente. As medidas higiênicas complementares recomendadas pelo médico devem ser rigorosamente observadas.

 

Não há estudos dos efeitos de ciclopirox olamina administrada por vias não recomendadas.

 

Portanto, por segurança e para garantir a eficácia deste medicamento, a administração deve ser somente por via tópica, conforme recomendado pelo médico.

 

Siga a orientação de seu médico respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento de seu médico.

O que devo fazer quando esquecer de usar este medicamento?

Caso esqueça de administrar uma dose, administre-a assim que possível. No entanto, se estiver próximo do horário da dose seguinte, espere por este horário, respeitando sempre o intervalo determinado pela posologia. Nunca devem ser administradas duas doses ao mesmo tempo.

 

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Reações adversas de Ciclopirox Olamina

A ciclopirox olamina é geralmente bem tolerada. Informe ao médico o aparecimento de reações desagradáveis, tais como: prurido (coceira) ou uma leve sensação de queimação e raramente dermatite alérgica de contato (reação alérgica da pele ao medicamento).

 

Informe ao seu médico ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

O que fazer em caso de superdosagem deste medicamento?

Não há experiência de superdose com preparações contendo ciclopirox. Contudo, não se espera que ocorram efeitos sistêmicos relevantes se ciclopirox olamina for aplicada a grandes áreas ou usada muito frequentemente.

 

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Dicas de prevenção às micoses

Os especialistas costumam classificar as tais infecções fúngicas em superficiais ou profundas. As primeiras são endêmicas, ou seja, ocorrem quando as condições ambientais — calor, umidade, pouca luz e presença de matéria orgânica — favorecem o crescimento de fungos.

 

Já as micoses profundas, em geral oportunistas, acometem pessoas que apresentam grave deficiência imunológica. É o caso de pacientes de câncer, AIDS ou os internados em unidades de terapia intensiva, alvos fáceis de micro-organismos que podem invadir órgãos internos e causar altos índices de mortalidade.

 

Essas infecções invasivas vêm aumentando nos últimos anos, fruto paradoxal da eficácia da Medicina no tratamento de doenças graves. Isso quer dizer que a maior sobrevida e o tempo prolongado em ambiente hospitalar elevam o risco de infecções. Felizmente, há cada vez mais medicamentos antifúngicos que tendem a reduzir o número de vítimas fatais.

 

As micoses superficiais — que atingem pele e unhas — em geral não trazem maiores riscos para a saúde da imensa maioria da população. O que não quer dizer que dispensem atenção, porque comprometem a qualidade de vida. Elas devem, sim, ser tratadas.

 

A umidade e o calor são fatores que favorecem o aparecimento dessas micoses superficiais, infecções causadas por fungos geralmente nos pés, virilhas e couro cabeludo. Apesar de ainda não estarmos nos aproximando da estação ideal para a proliferação dessa doença de pele, podemos adotar medidas simples para nos proteger.

 

Dermatologistas no Hospital Sírio-Libanês, Dra. Luciane F. F. Botelho e Dr. Fernando Augusto Almeida destacam alguns cuidados preventivos contra as micoses:

 

1) Secar cuidadosamente as regiões de dobras do corpo, como axilas, dedos dos pés e virilha.

2) Evitar usar calçados fechados por longos períodos, dando preferência aos mais largos e ventilados, especialmente no verão.

3) Usar chinelo ou sandália em locais que sempre estão úmidos, como vestiários, saunas e áreas ao redor de piscinas.

4) Evitar compartilhar toalhas, roupas, escovas de cabelo e bonés, pois esses objetos podem transmitir fungos.

5) Evitar roupas muito quentes e aquelas feitas em tecidos sintéticos, pois não absorvem o suor, prejudicando a transpiração da pele.

6) Usar o próprio material ao ir à manicure, como alicates, lixas e palitos de unhas.

Principais tipos de micose.

 

As micoses superficiais geralmente provocam coceira e descamação no local atingido e podem ser divididas em:

 

  • Pitiríase versicolor — É muito prevalente, especialmente entre jovens que têm a pele oleosa e frequentam piscina e praia. “Pode evoluir de forma crônica e reaparecer com frequência”, detalha Dra. Luciane. Mais comum em partes do corpo que acumulam gordura, como costas, couro cabeludo e braços.
  • Tinea inguinal (virilha) e pés — Ocorre principalmente quando essas partes do corpo ficam úmidas por várias horas. As micoses nos pés são mais frequentes entre usuários de academias e clubes.
  • Candidíase — Causada pelo fungo cândida, pode comprometer isolada ou conjuntamente pele, unhas e mucosas (epitélio que recobre narinas, boca, entre outros órgãos). “Por ser causada por um fungo oportunista, existem situações que favorecem seu desenvolvimento como diabetes, imunodeficiências, uso prolongado de antibióticos ou imunossupressores, além de umidade e calor”, explica Dr. Almeida.
  • Onicomicose — Micose que acomete as unhas, principalmente as dos pés. Um trauma no dedão do pé (hálux) pode levar ao descolamento da unha e, consequentemente, favorecer a infecção por fungos, principalmente em situações de umidade e uso de calçado fechado por várias horas.

 

Como tratar as micoses?

Os tratamentos das micoses superficiais geralmente são feitos com cremes antifúngicos ou medicamentos de via oral, conforme o tipo de infecção e sua extensão. A presença de doenças hepáticas pode ser uma contraindicação para o uso de certos remédios orais. Portanto, na suspeita de micose, o mais indicado é consultar um médico.

Onde comprar Ciclopirox Olamina?

Você pode comprar Ciclopirox Olamina em uma das farmácias ou drogarias disponíveis em sua região. Aqui no Cliquefarma, nós buscamos e comparamos o melhor preço e condição de entrega do seu medicamento. Muito mais vantajoso e no conforto do seu lar!

 

Comente abaixo o que achou do uso deste medicamento e compartilhe em suas redes sociais!