Kefir – Os benefícios que a ciência já comprovou

10/11/2020 0 Por Redação CliqueFarma

Cliquefarma fala hoje para você sobre o kefir. Já ouviu falar? Conhece seus inúmeros benefícios para a saúde? Então acompanhe todo este artigo que vamos te contar se ele emagrece e ensinar também como cultivar corretamente para tirar proveito de tudo que ele pode oferecer.

O que é o kefir?

O kefir de leite (versão mais popular) é uma bebida fermentada, originada séculos atrás nas montanhas do Cáucaso, com sabor levemente azedo e refrescante, semelhante ao iogurte.

 

Porém, segundo a nutróloga Tamara Mazaracki, ele é muito mais saudável e poderoso do que o iogurte, uma vez que contém uma grande população de leveduras e bactérias benéficas.

 

“Também conhecido como ‘quefir’, cogumelo tibetano, tibico, plantas de iogurte e cogumelo de iogurte, o kefir é produzido a partir da ação dos microrganismos presentes naturalmente nos grãos de kefir. O termo kefir vem do eslavo ‘keif’, que significa bem-estar ou bem viver”, completa a nutricionista Dai Cavalcanti.

Grãos de kefir

Os grãos do kefir são constituídos por uma associação de bactérias e leveduras benéficas. “Os microrganismos variam de acordo com as técnicas usadas para sua manipulação, o tempo de utilização, a região de origem e o substrato utilizado para a produção do kefir”, lembra Dai.

 

Esses grãos são compostos de partículas brancas gelatinosas, que contêm uma mistura de bactérias e leveduras aglutinada sobre uma matriz de proteínas e açúcares complexos (polissacarídeos), como explica Tamara.

 

“Os grãos de kefir se assemelham a floretes de couve-flor, e podem ser pequenos como uma ervilha ou crescer até o tamanho de uma noz. Os grãos fermentam o leite incorporando seus microrganismos no produto cultivado”, afirma a nutróloga.

 

Depois de prontos, os grãos são removidos com um coador antes do consumo do kefir e adicionados a uma nova porção de leite. O kefir pode ser feito com qualquer tipo de leite animal (vaca, cabra ou ovelha) ou com leites vegetais (coco, arroz ou amêndoa) para os mais sensíveis ao efeito da lactose. “Ele também pode ser preparado com água de coco e outros sucos de frutas”, completa Tamara.

Benefícios do kefir

  • Restaura a microbiota intestinal
  • Melhora a densidade óssea
  • Desinflama o intestino
  • Ajuda em doenças inflamatórias do cólon
  • Combate alergias e asma
  • Protege contra o câncer
  • Desintoxica o organismo
  • Ajuda a emagrecer
  • Melhora a imunidade
  • Melhora a digestão da lactose
  • Ajuda a combater a candidíase.

 

Ajuda a emagrecer: O kefir não tem esta função, mas indiretamente pode favorecer o emagrecimento, de acordo com Dai. “Isso porque o kefir melhora a microbiota intestinal, dando ao organismo um ambiente favorável ao emagrecimento. Principalmente considerando que o desequilíbrio da microbiota é um dos fatores que prejudica o emagrecimento”, detalha a nutricionista.

 

Melhora a imunidade: As bactérias do kefir produzem compostos como as citoquinas e o ácido butírico, com ação antimicrobiana e antibacteriana, ou seja, agem na redução de bactérias e microrganismos indesejáveis protegendo o nosso corpo, como lembra Tamara.

 

“Os probióticos também agem no sistema imunológico estimulando a produção de uma substância chamada gama-interferon, cujos níveis aumentados no sangue ajudam o organismo a lutar contra infecções, o que diminui a incidência de gripes e resfriados, por exemplo”, completa ela.

 

Melhora a digestão da lactose: “Sim e podem ter um enorme benefício com relação a melhora equilíbrio das bactérias. Quando cultivado em leite, a lactose é praticamente toda quebrada pelas bactérias e quanto mais tempo ficar ‘de molho’, mais quebrada a lactose vai ser. Além disso, intolerantes à lactose severos podem consumir o kefir cultivado em água ou em leite vegetal”, explica Dai.

 

Sobre o kefir de leite, Tamara complementa explicando que as bactérias e leveduras do kefir produzem lactase, uma enzima que consome a maior parte da lactose presente no leite, e por isso ele fica com o sabor azedo.

 

“Isto significa que até os intolerantes à lactose podem se beneficiar do seu consumo. O kefir melhora a digestão da lactose, com redução ou ausência de sintomas de intolerância à lactose”, diz ela.

 

Ajuda a combater a candidíase: A candidíase de repetição é um desequilíbrio de bactérias vaginais e os probióticos em geral tem capacidade de regular o pH e a flora da vagina, de acordo com Dai.

 

Porém, sempre é importante buscar ajuda médica e nutricional para garantir o tratamento certo e efetivo e usar o kefir como um método complementar.

 

Hepatite: Atua como coadjuvante para casos de hepatite. Além disso, o kefir também controla a produção da bílis por meio do fígado.

 

Infecções: Por conter propriedades antibacterianas potentes, o kefir atua contra infecções, inibindo o crescimento de diferentes tipos de bactérias, incluindo o E. coli e Salmonella.

 

Intestino: Combate constipação intestinal, diarreia e inflamações no intestino. Além disso, também ameniza crises de colite e demais patologias do cólon.

 

Câncer: Inibe o crescimento tumoral, minimizando a formação de compostos carcinogênicos, conforme estudos realizados em animais.

 

Crises respiratórias: Contribui com a melhora de crises de bronquite, asma e também tuberculose.

 

Articulação: O kefir é um excelente aliado para combater problemas articulares, já que contém cálcio em sua composição. Sendo assim, é importante para quem sofre com osteoporose, osteopenia e reumatismo.

 

Emocional: O kefir é eficiente contra ansiedade e depressão, já que contém triptofano. Este age como estímulo ao cérebro para que produza serotonina e endorfina.

 

Coração: Por estimular a circulação, contribui com o bom funcionamento do coração. Além disso, ajuda a combater o colesterol ruim e regula a pressão arterial.

 

Músculos: Atua na construção muscular por ser rico em proteínas importantes para esse fim. Sem contar que também potencializa a absorção de glicose através das células musculares, promovendo maior rendimento físico.

 

Estômago: Reduz a acidez estomacal excessiva, contribuindo assim, com quem sofre de problemas como refluxo, gastrite e úlcera.

 

Sistema imunológico: Por conter diversas propriedades benéficas ao organismo, o kefir é um excelente aliado no fortalecimento do sistema imunológico. Além dos benefícios citados acima, como mencionamos anteriormente, previne também candidíase e outras doenças que surgem quando o sistema imunológico está em desequilíbrio.

 

Esses são alguns dos benefícios que o kefir oferece ao nosso corpo. É importante destacar também a sua boa atuação em manter as unhas, pele e cabelo sempre saudáveis, afinal, contém diversos nutrientes importantes para essas ações.

Kefir pode ajudar a combater hipertensão, diz estudo

Cada dia mais é possível observar os benefícios dos alimentos probióticos, como é o caso do kefir, uma bebida láctea fermentada. Em um estudo recente feito por pesquisadores da Universidade de Auburn, nos Estados Unidos, junto com a Universidade de Vila Velha, aqui no Brasil, foi apontado que o consumo do kefir pode ter um efeito positivo no controle da hipertensão.

 

Em análises de estudos anteriores, os pesquisadores notaram que o desequilíbrio na colônia de bactérias do intestino (microbiota) era responsável por causar pressão alta em algumas pessoas. Portanto, da mesma forma, os probióticos foram ligados à redução da pressão arterial, mas os mecanismos pelos quais isso ocorre ainda não são claros.

 

Os pesquisadores estudaram três grupos de camundongos para determinar como o kefir reduz a pressão alta: um grupo tinha hipertensão e recebeu kefir como tratamento; um grupo tinha hipertensão e não foi tratado; um grupo tinha pressão arterial normal e não foi tratado (grupo de controle).

 

Após nove semanas consumindo kefir, os ratos tratados apresentaram menores níveis de endotoxinas (substâncias tóxicas associadas à ruptura nas células), menor pressão arterial e melhor permeabilidade intestinal quando comparados com o grupo não tratado. Os intestinos saudáveis permitem a passagem de algumas substâncias, mas geralmente atuam como uma barreira para impedir a entrada de bactérias nocivas e outras substâncias potencialmente perigosas.

 

Além disso, a suplementação de kefir restaurou o equilíbrio natural de quatro bactérias diferentes no intestino e de uma enzima no cérebro essencial para o funcionamento normal do sistema nervoso, sugerindo que os sistemas nervoso e digestivo trabalham juntos para reduzir a hipertensão. “Nossos dados sugerem que os mecanismos anti-hipertensivos associados ao kefir envolvem a comunicação do eixo microbiota-cérebro intestinal durante a hipertensão”, escreveram os pesquisadores.

Diferença entre kefir de água e kefir de leite

O kefir “vive” porque se alimenta de carboidrato. “Então, o kefir de leite acaba tendo um número maior de microrganismos que o kefir de água, já que o açúcar do leite é mais complexo que o açúcar puro que se coloca na água do kefir”, diz a nutricionista Sabina Donatelli.

 

Enquanto o kefir de água tem em torno de 14 cepas diferentes, o de leite chega a ter 76. “As cepas são bactérias benéficas ao funcionamento do intestino, presentes em probióticos”, completa Sabina.

Composição biológica do kefir

“A população de microrganismos que habita o grão de kefir é extensa e variada, podendo haver vários bilhões deles na sua porção diária”, diz Tamara. Abaixo, ela detalha as bactérias e leveduras do kefir:

 

Bactérias: Lactobacillus (acidophilus, brevis, casei, bulgaricus, delbrueckii, gasseri, lactis, helveticus, kefiranofaciens, kefiri, paracasei, plantarum, rhamnosus, sake, cremoris), Lactococcus lactis, Leuconostoc (cremoris, dextranicum, mesenteroides), Streptococcus thermophilus, Bifidobacterium bifidum, Acetobacter.

 

Leveduras: Saccharomyces (cerevisiae, martiniae, unisporus), Chamaerops humilis, Kazachstania (unispora, exigua), Kluyveromyces (siamensis, lactis, marxianus).

 

“O kefir também contém sais minerais (cálcio, ferro, fósforo, magnésio, potássio, sódio, cobre, molibdênio, manganês e zinco), vitaminas (A, complexo B, C, D, E, K2) e aminoácidos essenciais (metionina, cisteína, triptofano, fenilalanina, tirosina, leucina, isoleucina, treonina, lisina e valina)”, completa Tamara.

Como conseguir o kefir

É preciso ter algum amigo ou conhecido que já tenha a colônia de kefir. A pessoa doa um punhado de grãos e pronto. É possível encontrar comunidades espalhadas também pelas redes sociais, você pode procurar por grupos nos bairros próximos de onde você more.

 

“O kefir vai se multiplicar no leite ou na água e logo você também poderá ser um doador e presentear quem quiser. Foi por meio das doações que o kefir se difundiu pelo mundo”, explica Sabina.

Como fazer kefir

 

Veja abaixo o passo a passo da nutricionista Dai Cavalcanti para preparar o kefir:

Ingredientes

  • 1 colher de sopa de grãos de kefir
  • 300 ml de água ou leite (preferencialmente leite orgânico ou vegetal).

Modo de preparo

Quanto mais grãos, mais rápida a fermentação. Manter em ambiente fresco, com temperatura em torno dos 20ºC e cobrir o recipiente com papel filme ou papel toalha (fazer furinhos para passagem de ar), para evitar contaminação.

 

Descansar por no mínimo 6 horas (dias frios podem levar mais tempo) e no máximo 72h. Quando o líquido estiver mais denso, pode-se coar.

 

Os grãos coados podem voltar ao processo após serem bem lavados em água corrente, para nova produção. O líquido coado é reservado e vai à geladeira por mais algumas horas para depois ser consumido.

Cuidados ao manipular o kefir

O cuidado com a higiene é sem dúvida um dos principais pontos de atenção na hora de ter um kefir em casa, justamente para não haver contaminação e proliferação por outras bactérias patogênicas.

 

“Um dos cuidados se deve ter é com os materiais utilizados no manuseio. Metais, alumínio, ferro ou madeira não são indicados. Sempre materiais de vidro ou plástico. Importante observar também se existem grãos com manchas amarelas, marrons ou verdes – neste caso ele não está apto para o consumo”, diz Dai.

Dose recomendada

O kefir pode ser tomado diariamente, de acordo com Tamara, sendo o ideal o consumo de 1 copo de 200 ml. Pode ser ingerido ao natural, misturado com frutas, no suco ou no shake.

 

Se consumido em excesso, Dai destaca que pode haver mal estar, principalmente pela carga elevada de bactérias de uma só vez, mesmo sendo benéficas.

 

“Sempre é indicado que se inicie o consumo aos poucos e aumente gradativamente. É muito individual a quantidade inicial, mas pode-se começar por meia xícara/dia”, completa.

Receita

Maionese de kefir: receita deliciosa ajuda a regular o intestino

  • Suco de 1/2 limão
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 1/2 colher de chá de mostarda
  • 1 gema cozida
  • 1 copo de kefir fermentado por 48 horas
  • Azeite

 

Modo de preparo: Basta bater todos os ingredientes em uma batedeira e ir adicionando azeite até dar o ponto de maionese. Depois é só servir como preferir!

Contraindicações do kefir

O kefir pode ser contraindicado para pessoas com determinados tipos de câncer no trato gastrointestinal, sendo necessária uma avaliação profissional antes que o paciente comece a consumir.

 

Além disso, “é indicado que não se consuma 2 horas antes nem 2 horas após administração de medicamentos que contenham bifosfonato, fluoretos ou tetraciclinas, apenas para evitar que interfira na absorção do medicamento”, explica Dai.

 

Ela completa dizendo que pessoas que fazem uso de anticoagulantes também não devem tomar em excesso devido a vitamina K presente, sendo uma taça diária o suficiente.

E você já fez uso ou gostaria de experimentar utilizar o kefir na sua dieta a partir de agora? Conte para a gente no box de comentários suas experiências, se quiser, compartilhe alguma receita com ele também! Será um prazer interagir com você!