Anticoncepcional injetável: entenda tudo sobre esse método contraceptivo

Anticoncepcional injetável: entenda tudo sobre esse método contraceptivo
Índice do conteúdo
Índice do conteúdo
Avalie esse post

A contracepção é uma parte essencial da vida de muitas mulheres, permitindo o planejamento familiar e o controle da fertilidade. Entre as várias opções disponíveis, o anticoncepcional injetável é uma escolha popular devido à sua eficácia e praticidade. Este artigo irá abordar em detalhes esse método contraceptivo, cobrindo todos os aspectos essenciais que você precisa conhecer. Confira! 

O que é o anticoncepcional injetável? 

O anticoncepcional injetável é um método contraceptivo que envolve a administração de hormônios por meio de injeções intramuscular, ou seja, aplicação em músculos como glúteos ou deltoide. Esses hormônios, simulam a ação da progesterona no corpo da mulher que é responsável por inativar sistemas de hormonais responsáveis pelo ciclo menstrual, dessa forma uma ação de contracepção é alcançada. Existem dois tipos de anticoncepcionais injetáveis, incluindo opções mensais e trimestrais. Sua principal função é inibir a ovulação por aumento dos níveis de progesterona que inativam sistemas do ciclo menstrual tornam o muco cervical mais espesso, dificultando a passagem dos espermatozoides que certamente não encontrará um óvulo para fecundar. 

Vantagens do anticoncepcional injetável 

O anticoncepcional injetável apresenta algumas vantagens significativas. Primeiramente, é altamente eficaz na prevenção da gravidez quando usado corretamente, com taxas de eficácia comparáveis às da pílula anticoncepcional. Além disso, sua conveniência é um ponto forte, uma vez que o anticoncepcional injetável mensal requer apenas uma aplicação por mês, enquanto o trimestral exige somente quatro injeções por ano. Economicamente é mais interessante quando comparado a outros métodos contraceptivos como algumas pílulas ou anel vaginal. 

Desvantagens e efeitos colaterais 

Embora o anticoncepcional injetável ofereça vantagens, é importante estar ciente de suas desvantagens e possíveis efeitos colaterais. Algumas mulheres podem experimentar alterações no ciclo menstrual, como sangramento irregular ou até mesmo a ausência de menstruação. Esses dois efeitos colaterais são comuns e estão descrito em bula. Algumas usuárias relatam ganho de peso, embora isso não ocorra com todas. Além disso, reações adversas, como dor no local da injeção, podem ocorrer, mas geralmente são leves e temporárias. 

Algumas condições de saude pré existentes podem ser agravadas ou ser impeditivos para o uso de anticoncepcionais injetáveis tais como: 

  • Diabetes 
  • Depressão 
  • Hipertensão 
  • Retenção de líquido 
  • Câncer de mama, histórico de câncer de mama ou qualquer outra condição que envolva tecido mamário 
  • Enxaqueca 
  • Trombose ou histórico de trombose 
  • Histórico de derrame 
  • Osteoporose ou histórico de osteoporose 
  • Asma 
  • Epilepsia 
  • Entre outras, sempre consulte seu médico ou farmacêutico e leia a bula

Como usar o anticoncepcional injetável? 

A aplicação do anticoncepcional injetável deve ser realizada por um profissional de saúde treinado. O farmacêutico é um profissional qualificado e de fácil acesso a população em geral, esse serviço em na grande maioria das vezes são gratuitos. As injeções são preferencialmente administradas no músculo do glúteo, mas também podem ser administradas no braço superior. A frequência das injeções varia dependendo se é um anticoncepcional mensal ou trimestral. Certificar-se de seguir o cronograma de injeções é essencial para a eficácia do método. 

Geralmente, a primeira injeção mensal é administrada no início do período menstrual (do 1º a, no mais tardar, 3º dia de menstruação), se repetindo a cada 30 dias. Porém, o dia e frequência de aplicação pode variar de acordo com o tipo de injeção anticoncepcional escolhida. 

Eficácia e segurança 

O anticoncepcional injetável é considerado seguro e eficaz quando utilizado de acordo com as orientações. A taxa de eficácia é comparável à da pílula anticoncepcional, desde que as injeções sejam administradas no prazo correto (de 0,1% a 0,6% de falha no caso da injeção mensal, e apenas de 0,3% com a trimestral). Vale ressaltar que o único método contraceptivo 100% eficaz é a abstinência sexual. 

Quem pode usar o anticoncepcional injetável? 

Este método contraceptivo é adequado para a maioria das mulheres. No entanto, é importante considerar indicações e restrições. É recomendado para mulheres que desejam evitar a gravidez, mas pode não ser adequado para aquelas com certas condições médicas, como histórico de trombose venosa profunda, coágulos sanguíneos, doenças cardíacas, problemas vasculares, hipertensão, entre outras. Também não é indicado o uso antes da menarca que é a primeira menstruação. 

Sempre procure seu médico ginecologista antes de aderir a um tratamento contraceptivo, pois ele indicará qual é o mais adequado para o seu caso. 

A injeção anticoncepcional engorda? 

O uso tanto do anticoncepcional injetável de aplicação mensal, quanto do trimestral, pode influenciar a retenção de líquidos, e no cenário das usuárias desse último, também existe a possibilidade de um leve acréscimo de peso, em média cerca de 1 quilo ao longo de um ano. 

Alternativas e compatibilidade com outros métodos 

O anticoncepcional injetável deve ser usado em conjunto com preservativos para a proteção contra doenças sexualmente transmissíveis. Discutir as opções disponíveis com um profissional de saúde é essencial para determinar qual método atende melhor às necessidades individuais. O uso do anticoncepcional injetável não protege contra doenças sexualmente transmissíveis, tais como HIV e diversas outras. 

Onde comprar o anticoncepcional injetável? 

A obtenção do anticoncepcional injetável geralmente requer a prescrição de um médico. É possível encontrá-lo em farmácias e clínicas de saúde, mas é crucial seguir as orientações médicas em relação à sua administração. 

Júlia Corrêa

Júlia Corrêa

Graduada em Farmácia pela Universidade Vale do Rio Doce (Univale), de Minas Gerais, em 2010. Júlia Correa atuou em farmácias, hospitais, gestão de benefício de saúde e na indústria farmacêutica. Possui experiência como propagandista médico nas áreas de pediatria, dermatologia, infectologia e ginecologia. CRF/SP 59683

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe nas redes sociais

Últimas publicações
Em destaque