Medicamentos Especiais: Onde encontrar?

05/12/2019 0 Por cliquefarma

Você sabe o que são medicamentos especiais? Muitas pessoas não têm conhecimento sobre eles. Esse artigo vai tirar as principais dúvidas a esse respeito e te mostrar onde você pode encontrá-los caso precise fazer uso de tais fármacos.

Os medicamentos especiais são aqueles remédios produzidos com alta tecnologia que, normalmente, requerem cuidados especiais, como armazenagem e transporte diferenciados e que não estão nos programas de saúde do Ministério da Saúde brasileiro – a aquisição desse tipo de medicamento é de responsabilidade da Secretaria Estadual de Saúde.

 

Geralmente, este tipo de remédio não é encontrado facilmente em drogarias comuns por serem de alta complexidade e por exigirem uma série de cuidados diferenciados, e é por isso que eles se diferem dos remédios convencionais encontrados normalmente nas farmácias.

 

Custo dos medicamentos especiais

 

São drogas que possuem um custo muito elevado, tanto para os próprios pacientes quanto para hospitais, clínicas e outras instituições da área da saúde. Podem custar de R$80,00 a R$10 mil e são utilizados em tratamentos complexos, como na cura de algum tipo de tumor ou nódulo, na área de reprodução humana, entre outras.

 

Em países mais desenvolvidos, como os Estados Unidos, os medicamentos especiais correspondem a um terço de toda a venda de remédios. Já aqui no Brasil, a história é muito diferente – a venda é baixa e muito restrita por ter um alto custo e, dessa forma, não ser tão acessível assim a todas as classes sociais brasileiras.

 

Também chamados de medicamentos de dispensação excepcional, eles são, geralmente, além de alto custo, de uso contínuo. São usados no tratamento de doenças crônicas e raras, e dispensados em farmácias específicas para este fim. Por representarem custo elevado, sua dispensação obedece a regras e critérios específicos. 

 

O Programa de Medicamentos Excepcionais foi criado em 1993 e posteriormente, através de novas Portarias, o Ministério da Saúde ampliou de forma significativa o número de medicamentos excepcionais distribuídos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 

 

Para a dispensação dos Medicamentos Excepcionais são utilizados alguns critérios, como diagnóstico, esquemas terapêuticos, monitorização/acompanhamento e demais parâmetros, contidos nos Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas, estabelecidos pela Secretaria de Assistência à Saúde (SAS), do Ministério da Saúde. Os protocolos também relacionam os medicamentos que são fornecidos pelo programa. 

 

As regras referentes aos medicamentos excepcionais são definidas pelo MS, sendo que o principal documento exigido para o Programa é o Laudo para Solicitação/Autorização de Medicamentos de Dispensação Excepcional (LME). 

 

Desta forma, para a autorização de distribuição destes medicamentos é necessário: 

 

  • Que o medicamento faça parte do Programa de Medicamentos Excepcionais; 
  • Que seja respeitado o Protocolo Clínico definido pelo Ministério da Saúde; 
  • O Laudo para Solicitação/Autorização de Medicamentos de Dispensação Excepcional (LME) adequadamente preenchido pelo médico solicitante; 
  • A receita médica, com identificação do paciente em duas vias, legível e com nome do princípio ativo e dosagem prescrita; 
  • O Cartão Nacional de Saúde; 
  • Relatório médico; 
  • Termo de consentimento; 
  • Exames médicos. 

 

Trinta Unidades de Saúde estaduais são responsáveis pela dispensação dos medicamentos especiais, sendo que maiores informações podem ser obtidas junto às áreas de assistência farmacêutica dos Departamentos Regionais de Saúde (DRS).

 

Quais são as utilidades dos medicamentos especiais?

São muitas as funções dos fármacos voltados a casos especiais. Eles são utilizados tanto na área de saúde mental quanto em áreas específicas, como:

 

  • Cardiologia
  • Dermatologia
  • Endocrinologia
  • Gastrenterologia
  • Ginecologia
  • Hematologia
  • Infertilidade
  • Metabologia
  • Nefrologia
  • Neurologia
  • Oftalmologia
  • Oncologia
  • Pediatria
  • Pneumologia
  • Reprodução Humana
  • Reumatologia
  • Urologia

 

Todos esses medicamentos são voltados para casos específicos de cada doença e requerem muitos cuidados, tanto em relação a manutenção do remédio quanto à saúde do paciente.

Como é possível adquirir um medicamento especial pelo SUS?

Os medicamentos especiais não são distribuídos da mesma forma que os convencionais. Para eles serem adquiridos pelo SUS, é necessário abrir um Processo Administrativo na Secretaria Municipal de Saúde com a seguinte documentação:

 

  • Cópia dos documentos: carteira de identidade, CPF, cartão SUS e comprovante de residência do paciente;
  • Cópia dos documentos: carteira de identidade, CPF, cartão SUS e comprovante de residência do responsável legal (para pacientes menores de 18 anos);
  • Receita médica com assinatura e carimbo do médico com CRM legível e a descrição do remédio de acordo com a Denominação Comum Brasileira, dose por unidade posológica, formato do medicamento, posologia e duração do tratamento.
  • Relatório do diagnóstico da doença e informações complementares que possam ajudar no processo de solicitação do medicamento.
  • Cópia dos exames complementares;
  • Informação do Cartão Nacional de Saúde do médico solicitante.

 

Como é feita a utilização desses medicamentos?

Os medicamentos especiais não são guardados e transportados como os fármacos comuns – como mencionado anteriormente, eles requerem armazenagem e transporte diferenciados e, por esse motivo, não são facilmente encontrados em qualquer lugar. 

 

As empresas que comercializam este tipo de medicamento devem ter uma estrutura que favoreça a manutenção do produto, além de um serviço de transporte equipado para que ele possa ser levado para outros lugares sem problema algum.

 

No caso do uso dos medicamentos, é importante que eles sejam utilizados dentro do horário estabelecido pelo médico, já que muitos desses remédios possuem um prazo de validade curto – fora do prazo, ele pode perder a eficácia e você pode perder seu dinheiro.

 

Além disso, na hora da compra, pesquise todos os cuidados que se deve ter com o medicamento, como a sua temperatura de armazenamento – é importante colocá-lo na geladeira e transportá-lo na temperatura adequada.

 

Percebe-se que, muito mais do que a compra ou a solicitação do medicamento pelo SUS, é essencial que o paciente ou o responsável por ele saiba mantê-lo em condição favorável com muita cautela.

 

Uso seguro e cuidados essenciais no uso de quaisquer medicamentos

De acordo com a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), a maior parte dos erros na utilização de medicamentos, tanto especiais quanto comuns, é potencialmente evitável. 

 

A OMS, em 2004, lançou o programa Aliança Mundial para a Segurança do Paciente, no qual todos os países-membros se comprometem a desenvolver e implantar medidas que assegurem a qualidade e segurança da assistência à saúde. 

 

O primeiro Desafio Global de Segurança do Paciente foi lançado em 2005 e o segundo em 2008, com os temas “Higienização das Mãos” e “Cirurgia Segura”, respectivamente.

 

Em 2017, a OMS lançou o terceiro Desafio Global com o tema “Uso Seguro de Medicamentos” (em inglês, “Medication without harm”), reconhecendo o risco significativo que os erros de medicação representam para a segurança do paciente. Segundo a OMS, mais de 50% de todos os medicamentos são incorretamente prescritos, dispensados e vendidos; e mais da metade dos pacientes que os utilizam o fazem incorretamente.

 

Esses erros podem ser causados por diferentes fatores que potencialmente interferem na prescrição, na dispensação, na administração, no consumo e no monitoramento de medicamentos, o que pode ocasionar sérios prejuízos para a saúde e até mesmo a morte.

Mas afinal, para que servem os medicamentos?

Os medicamentos podem ser usados na prevenção, no diagnóstico, no tratamento de doenças e, também, no controle de sinais/sintomas, como dor, por exemplo. A administração dos medicamentos pode acontecer em diferentes lugares: em casa, em clínicas e ambulatórios, no hospital e também na farmácia. A sua utilização deve ser sempre feita com orientação de um profissional de saúde especializado, já que o uso incorreto pode trazer sérios danos à saúde.

 

Uso adequado de medicamentos

De acordo com a OMS, o uso adequado de medicamentos acontece quando os pacientes recebem os medicamentos apropriados à sua condição de saúde, em doses adequadas às suas necessidades individuais, por um período de tempo adequado e ao menor custo possível para eles e sua comunidade (OMS, Conferência Mundial Sobre Uso Racional de Medicamentos, Nairobi, 1985).

 

Dicas para pacientes de como agir durante a consulta com o médico:

 

  • Informe ao profissional de saúde TODOS os medicamentos que você usa, inclusive os naturais (fitoterápicos), vitaminas e anticoncepcionais, pois o uso simultâneo de diferentes fármacos pode interferir no seu efeito e segurança.
  • Informe sobre qualquer reação desagradável que você já experimentou ao usar algum medicamento (tonturas, manchas na pele, insônia, dores de cabeça e outros).
  • Informe se você é alérgico a algum medicamento ou substância (dipirona, sulfas etc.), assim como se é portador de alguma doença (hipertensão, diabetes, etc.). É muito importante que as mulheres grávidas ou que estão amamentando informem ao profissional, pois alguns medicamentos podem ser contraindicados.
  • Relate ao profissional de saúde outros hábitos que podem interferir no uso do medicamento, como por exemplo o uso de bebidas alcóolicas e fumo.
  • Importante: Relate se tem problemas para engolir cápsulas ou comprimidos, assim o profissional poderá selecionar, por exemplo, o medicamento em forma líquida, caso exista a apresentação no mercado.
  • Alguns medicamentos possuem nomes com grafia ou som semelhantes. Sempre que receber uma receita de um profissional de saúde certifique-se que a letra está legível. Em caso de dúvida, pergunte!
  • Nunca se esqueça que além dos medicamentos, o tratamento também é composto por mudanças nos hábitos de vida (como alimentação, atividade física, sono, postura corporal, combate do estresse, etc.). Pergunte ao profissional que cuida de você quais são elas.

 

Tratamento medicamentoso: Perguntas que o paciente pode fazer durante a consulta:

 

  • Como se fala/soletra o nome do medicamento indicado?
  • Qual a dose a ser utilizada em cada tomada diária?
  • Quantas vezes ao dia devo usar cada dose?
  • Por quanto tempo devo usar o medicamento?
  • Como devo tomar ou usar? Antes, durante ou após as refeições?
  • Em quanto tempo começa a ter resultados?
  • Que efeitos colaterais /riscos podem trazer?

Lembre-se que a escrita legível na prescrição é uma obrigação prevista em lei. Exija na sua receita!

 

Compre sempre seus medicamentos em farmácias legalizadas! O comércio de medicamentos em lojas de conveniência, padarias, academias e ambulantes não é permitido e você não terá garantias da procedência do produto.

 

  • Existem medicamentos que podem ser vendidos sem receita, como os analgésicos, antigripais, entre outros, mas isso não significa que eles não possam trazer riscos à sua saúde. Nós sempre incentivamos aqui no blog a evitar a automedicação! Mesmo medicamentos vendidos sem receita podem causar intoxicação!
  • Ao comprar/receber o medicamento, confira se é de fato o que foi receitado para você.
  • Fique atento à validade, antes de adquiri-lo. Não compre medicamentos com prazo de validade vencido.
  • Verifique o registro na ANVISA/Ministério da Saúde. Esse registro está na embalagem. Somente utilize medicamentos registrados.
  • Não compre ou aceite medicamentos que estejam com a embalagem aberta, com o lacre rompido, com o rótulo borrado ou apagado.
  • Importante: Solicite ao farmacêutico orientações sobre como guardar o medicamento. Luz, umidade e calor devem ser evitados no armazenamento. Não armazenar seus remédios no banheiro, cozinha ou outro lugar onde o sol bate diretamente ou ambientes quentes.
  • Se você não tiver certeza sobre como usar seu medicamento, pergunte quantas vezes forem necessárias. Por exemplo, algumas pessoas têm dificuldades para utilizar os dispositivos inalatórios de asma. Ao comprar esses medicamentos solicite ao farmacêutico que faça a demonstração da forma correta de utilizá-los.
  • Se achar que terá dificuldade em recordar quando tomar os seus medicamentos, peça ao seu farmacêutico que lhe escreva as doses a serem tomadas a cada horário diário.

 

Em casa:

 

Não use medicamentos indicados por outras pessoas: como amigos, vizinhos, parentes ou o balconista da farmácia. Cuidado! Doenças diferentes podem ter sintomas parecidos ou até iguais, mas usar medicamento sem recomendação de um profissional de saúde pode ser prejudicial a sua saúde!

Caso você faça uso de mais que três medicamentos, algumas dicas podem ajudá-lo:

 

  • Atenção: Antes de começar a usar o medicamento, leia a receita médica com atenção.
  • Faça uma lista: anote todos os medicamentos, com o nome e quantidade de cada um. O farmacêutico pode te auxiliar nesse processo. Nunca altere a dose diária recomendada!
  • Tome seus remédios na quantidade indicada, nos horários certos e pelo número certo de dias. Na dúvida, consulte o profissional de saúde que fez a prescrição.
  • Importante: Se você é um paciente portador de alguma doença crônica, que exige uso continuado de um ou mais medicamentos, principalmente os especiais, não interrompa o tratamento sem o conhecimento de quem prescreveu!
  • Comprometa-se a fazer o tratamento completo, não suspenda o uso porque teve melhora dos sintomas. Os medicamentos precisam ser tomados por todo o tratamento indicado, principalmente durante o uso de antibióticos e outros medicamentos de uso controlado.
  • Caso tenha dificuldade em organizar a rotina de utilização diária de seus medicamentos, solicite ajuda dos farmacêuticos. Algumas farmácias oferecem dispositivos que auxiliam o paciente nesta organização e favorecem a adesão ao tratamento.
  • Observe os seus sintomas e se você tem sentido alguma alteração após o início do uso do medicamento, como coceiras, tontura, dores de cabeça, alteração de humor, etc… E comunique ao médico que o prescreveu.
  • Não corte o remédio ao meio ou abra as cápsulas, fazer isto pode reduzir o seu efeito e, posteriormente, dificultar sua identificação.
  • Evite a ingestão de bebidas alcoólicas; remédios e álcool são uma combinação que merece atenção, e deve ser evitada.
  • Mantenha seus medicamentos em local protegido. De preferência os mantenha em sua própria embalagem e com a bula. É importante mantê-los longe do alcance de crianças e animais domésticos, para evitar acidentes.

Como fazer o descarte correto de medicamentos?

  • Não jogue sobras de medicamentos após o uso no lixo comum, na pia ou no vaso sanitário. Isso é incorreto. Os resíduos das substâncias podem contaminar o solo e água quando descartados dessa forma.
  • Além disso, quando jogamos medicamentos no lixo comum, eles podem ser utilizados por pessoas que trabalham em lixões, ocasionando intoxicações e até a morte.
  • Para jogar fora o medicamento, o ideal é entregá-lo em um posto de coleta. Muitas farmácias, drogarias e unidades básicas de saúde oferecem esse serviço. 

 

Finalmente, é importante salientar mais uma vez, como em todos os nossos artigos sobre medicamentos, que não se deve usar nenhum remédio sem prescrição médica! Sempre que precisar, vá ao médico e deixe-o dizer qual a receita específica para o seu caso – somente ele pode dizer o que você tem e o que você deve usar como cura!

 

Onde posso encontrar medicamentos especiais?

O Cliquefarma se mostra como ferramenta útil e indispensável na hora de comparar preços e comprar medicamentos especiais. Basta fazer uma pesquisa no site e encontrar os locais de comércio de medicamentos especiais que mais condizem com o que você espera.